TELECOM

Brasil precisa decifrar a transformação digital pelos smartphones

Por Roberta Prescott* ... 25/04/2019 ... Convergência Digital

“Quem decifrar primeiro o celular vai ganhar muito dinheiro”, destacou o professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP) Fernando Meirelles, durante a apresentação, nesta quinta-feira (25/4), dos principais resultados 30ª Pesquisa anual do uso de TI no Brasil. O pano de fundo para esta conclusão está na ascensão dos aparelhos celulares, com o Brasil tendo pouco mais de um smartphone e pouco menos de um computador por habitante, e a iminente transformação digital pela qual as empresas terão de passar.

Para Meirelles, ainda que tenham iniciativas voltadas para os aplicativos e o maior uso dos aparelhos móveis, as empresas ainda não decifraram todo o potencial dos celulares. “Você acha que Itaú e Bradesco usam direito?”, questionou fazendo referência às aplicações móveis. “A Siri está burra ainda. Estamos vendo a ponta da ponta do iceberg. A transformação digital pelo celular é o ponto chave que ninguém ainda decifrou”, resumiu.

Meirelles ressaltou que o fenômeno do smartphone é uma ruptura de migração muito forte e talvez a evidência mais forte disto é a dedicação do jovem usando os aparelhos celulares para acesso às redes sociais e games. A 30ª edição da pesquisa da FGV, que teve amostra de 2.602 médias e grandes empresas, mostrou que, em 2019, teremos 420 milhões de dispositivos em uso no Brasil, uma média de dois dispositivos digitais por pessoa. Segundo a definição da pesquisa, na categoria computadores entram desktop, notebook e tablet e dispositivos digitais contemplam smartphones e computadores.

A análise deste indicativo mostra que o mercado está saturado e o que vai direcionar a venda de novos aparelhos é a economia, mas aquisições serão muito mais por reposição que por compra de primeiro dispositivo. “Este fenômeno é muito recente. Em 2004, não tinha muito dispositivo digital, entre 2012 e 2016 decolou para valer e já estamos saturando”, explicou. O que direcionou o boom de compras foi, segundo Meirelles, a necessidade de usar os aparelhos para fazer tarefas como pagamento de contas, além do intenso uso dos brasileiros nas redes sociais.

Com isto, os smartphones se tornaram mais importantes que as televisões e hoje são vendidos quatro celulares a cada aparelho de televisão. São 230 milhões de celulares inteligentes (smartphones) em uso no Brasil. Adicionando os notebooks e os tablets o montante chega a 324 milhões de dispositivos portáteis em maio de 2019.

Em 30 anos de pesquisa, disse Meirelles, a base ativa de computadores está em uma curva acentuada para cima. Hoje, no Brasil há em uso 180 milhões de computadores, o que dá seis computadores para cada sete habitantes. “Há quatro anos, empurro para frente quando teremos um computador por pessoa”, disse, justificando que o índice não chega porque as pessoas estão comprando mais celulares que computadores e porque a vida útil dos PCs aumentou. A venda anual de computadores, depois de uma queda para 12 milhões em 2016 e 2017, a metade de 2013, subiu um pouco para 12.400.000 em 2018 e deverá crescer muito pouco em 2019.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.

American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

O CEO da companhia, Flavio Cardoso, diz que o investimento redundante em fibra óptica por conta do 5G não é eficiente e que é preciso pensar na economia comparitlhada. "Nós queremos ser os gestores desses ativos para evitar conflitos como o do uso dos postes nas grandes cidades."

Vivo investe em franquia para expandir rede de fibra ótica no Brasil

A estratégia envolve uma parceria com a gestora de infraestrutura American Tower e também um modelo de franquias sob a marca Terra, voltado para empresas de Internet. Vivo quer somar 1 milhão de domicílios cobertos com fibra pelos franqueados até 2021.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G