Home - Convergência Digital

Agro 4.0 passa por recursos vindos da aprovação do PLC 79/16

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 16/08/2019


O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) assinaram nesta quinta-feira (15), em Brasília, um acordo de cooperação técnica com o objetivo de promover ações para expansão da internet no campo; aumento de produtividade; fomento a tecnologias e serviços inovadores; e o posicionamento do Brasil como exportador de soluções de Internet das Coisas (IoT) para a agricultura.

O acordo também estabelece a criação da Câmara do Agro 4.0, como parte do Plano Nacional de Internet das Coisas. A ideia é ter um órgão de debates com participação de governo, empresas e academia para construir uma estratégia para as fazendas conectadas, que utilizam soluções como automação, interatividade, monitoramento em tempo real, Big Data, entre outros.

Para o ministro do MCTIC, Marcos Pontes, entidades vinculadas como o CNPq, Finep e Embrapii são ferramentas importantes para apoiar pesquisas e empresas inovadoras no agronegócio. Já a conexão à internet nas áreas rurais pode ser reforçada com iniciativas do ministério e a aprovação do PLC 79. "A conexão depende de infraestrutura e nós temos a expectativa que o PLC 79 possa nos ajudar a ampliar o acesso. A gente está falando de R$ 20 a 40 bilhões de investimento”, disse.

O senador Luis Carlos Heinze falou sobre a necessidade de aumentar o número de empresas inovadoras no campo. “Nós temos 307 startups do agro no Brasil, enquanto há mais de 20 mil nos outros setores. Um Estado como o Mato Grosso, o maior produtor do Brasil, deve ter de 10 a 12. A gente precisa linkar os estudantes de Agronomia, Zootecnia, Veterinária a universidades e empresas do ramo. Temos um potencial enorme em estimular essa meninada a desenvolver projetos novos”, ressaltou.

A Câmara Agro 4.0 terá coordenação do MCTIC e do Mapa e participação de atores da iniciativa privada, academia e institutos de pesquisa para comporem os grupos de trabalho. Serão quatro GTs para debater e apresentar soluções nos eixos Desenvolvimento, Tecnologia e Inovação; Desenvolvimento Profissional; Cadeias Produtivas e Desenvolvimento de Fornecedores; e Conectividade no Campo.

O órgão faz parte do Plano Nacional de Internet das Coisas, formalizado por meio de decreto em junho, com o objetivo de fortalecer o ecossistema de inovação nacional e o desenvolvimento de projetos de Internet das Coisas. Além do Agro, fazem parte do Plano a Câmara da Indústria 4.0, inaugurada em abril, e as Câmaras de Saúde 4.0 e Cidades 4.0, que devem ser lançadas em breve.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/09/2019
Anatel ajusta regras de IoT, mas tributo ainda é maior barreira

02/09/2019
Rede IoT da American Tower envia mais de 7 milhões de mensagens por dia

19/08/2019
Anatel faz audiência pública sobre redução de barreiras à IoT

16/08/2019
Agro 4.0 passa por recursos vindos da aprovação do PLC 79/16

14/08/2019
5G e Internet das Coisas são prioridades para os países do BRICS

08/08/2019
Varejo aposta em eletrônicos com inteligência artificial

05/08/2019
Brasil chega a 22,21 milhões de dispositivos IoT

02/08/2019
MCTIC vai aportar R$ 8 milhões em projetos para internet das coisas

01/08/2019
Anatel abre debate sobre regras para reduzir barreiras à internet das coisas

31/07/2019
Escassez de talentos e complexidade travam projetos de Internet das Coisas

Destaques
Destaques

Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

Estudo global da GSMA mostrou ainda que, em 2018, 31 milhões de empregos, entre diretos e indiretos, foram criados pela economia móvel, que gerou US$ 3,9 trilhões, ou R$ 15,8 trilhões. O 4G se tornou o padrão da telefonia móvel.

Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

O Brasil é o país que lidera esse tipo de ataque, especialmente por meio do adware.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site