GOVERNO

Economia pressiona, mas Telebras diz que União não opinou sobre fechar capital

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/12/2019 ... Convergência Digital

O Ministério da Economia mantém a pressão para que a Telebras faça uma oferta pública de aquisição de ações e em novo ofício reforça que a estatal deve recomprar os papeis em mãos de acionistas minoritários e proceder com o fechamento de capital. 

Como tem ações em bolsa, a Telebras relatou a nova investida da secretaria de coordenação e governança das estatais (SEST) ao mercado. E aproveitou para responder que a avaliação sobre o fechamento de capital segue à espera da manifestação daquele a quem  caberá pagar a conta, a União, acionista controlador. As mais de 49 milhões de ações na Bolsa têm valor de mercado estimado em R$ 5,5 bilhões. 

“O Conselho de Administração da Telebras deliberou consultar seu acionista controlador, a União, acerca de eventual intenção de fechar o capital da companhia. Referida consulta foi efetivada, mas não houve resposta até o momento”, lembra o presidente da estatal no comunicado ao mercado datado desta terça, 17/10. 

O Ministério da Economia sustenta que a Telebras é uma “estatal dependente”, uma vez que recebe da União dinheiro para pessoal e custeio. E que isso significa que ao manter a empresa operando o Estado beneficia imotivadamente os acionistas minoritários. 

“[S]ob pena de transferir recursos públicos, indiretamente para acionistas minoritários, entende-se aparentemente incompatível, quando caracterizada a situação de dependência da Telebras, a permanência do capital em negociação na Bolsa de Valores (atualmente, 3,47% das ações). No mesmo sentido, também é aparentemente incompatível a manutenção, no atual quadro societário da Telebras, da FINEP (6,51%), do Banco Cruzeiro do Sul (2,29%) e do Sr. Paulo Almeida Nobre (0,43%)”, alega a SEST. 

Também em resposta, “a Telebras reitera que encaminhou carta ao Tribunal de Contas da União (TCU) ponderando os critérios adotados para enquadramento como empresa estatal dependente, o procedimento adotado para referido enquadramento e o curto lapso temporal para inclusão da Telebras nos Orçamentos Fiscal e de Seguridade Social da União para o exercício de 2020. Até o momento não houve posicionamento do TCU sobre os argumentos de mérito apontados pela Telebras.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G