Home - Convergência Digital

Com OpenRAN, Intel quer abocanhar mercado 5G de Ericsson, Huawei e Nokia

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 07/10/2019

A Vodafone anunciou planos de trazer para a Europa a tecnologia OpenRAN, compatível com serviços 2G, 3G e 4G, e sendo preparada para o 5G, depois dos testes feitos na Turquia e na África do Sul. A tecnologia seria usada em áreas rurais do Reino Unido, reportou o CEO da companhia, Nick Read. A OpenRAN é fruto do trabalho do Telecom Infra Project (TIP), desenvolvido pelo Facebook para melhorar a eficiência da RAN, com uma abordagem centrada no software usando hardware commoditizado.

A proposta é aumentar a interoperabilidade entre equipamentos de vários fornecedores, uma abordagem considerada mais econômica em termos de fornecimento de conectividade rural do que as abordagens tradicionais. Aqui quem desponta como grande beneficiária é a norte-americana Intel, principal patrocinadora da iniciativa, por meio de fornecimento de tecnologia aos pequenos provedores que despontam com o trabalho do TIP. A proposta é reduzir a dependência dos fornecedores tradicionais - Ericsson, Huawei e Nokia. A Vodafone já teria alocado orçamento e selecionado 100 locais para fazer um teste no Reino Unido.

“O fornecimento global de equipamentos de rede de telecomunicações se concentrou em poucas empresas nos últimos anos. Mais opções de fornecedores protegerão a entrega de serviços a todos os clientes móveis; vão aumentar a flexibilidade e a inovação e, crucialmente, vão ajudar a enfrentar alguns dos desafios de custos que estão impedindo a entrega de serviços de Internet para comunidades rurais e locais remotos em todo o mundo", reforçou o CEO da Vodafone.

A Vodafone acrescentou que a medida melhorará a “resiliência da cadeia de suprimentos”, introduzindo “uma onda de novos fornecedores de tecnologia 2G, 3G, 4G e 5G, além dos líderes de mercado existentes”. Esses novos fornecedores incluem a Mavenir, sediada nos EUA, e a Parallel Wireless. Hoje os fornecedores de rede 4G e 5G da Vodafone são Ericsson e Huawei.

No Brasil, a TIM Brasil é uma parceira da iniciativa TIP e, inclusive, anunciou resultados de uma licitação para uso da tecnologia, no Mobile World Congress deste ano, em Barcelona. Já o CPqD se tornou, em 2018, um Community Lab - espaço físico onde tecnologias e soluções inovadoras, desenvolvidas dentro dos projetos, podem ser testadas e avaliadas.

*Com tradução do Mobile World Live

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/06/2020
Verizon e AT&T admitem que venderiam 5G fixo que 'nem água' por conta da Covid-19

01/06/2020
CPQD se filia à consórcio de inovação aberta para o 5G

27/05/2020
Cisco: 'Sempre estivemos e estamos no jogo do 5G"

27/05/2020
Coronavírus atrasa entrega de telefones 5G e impacta venda global de celulares

22/05/2020
Anatel: Parabólicas comprometem porta de entrada do 5G no Brasil

21/05/2020
Anatel confirma que filtros não resolvem interferência do 5G nas parabólicas

14/05/2020
Ericsson: Compartilhamento de espectro permite 5G às teles antes do leilão

12/05/2020
Pioneira no 5G, Coreia do Sul projeta redes standalone até o fim de 2020

11/05/2020
Ericsson: Covid-19 aumentou a demanda por 5G

08/05/2020
Anatel já sinaliza que Covid-19 vai adiar leilão do 5G para 2021

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site