INTERNET

Autoridade de Dados burocrática vai matar a inteligência artificial

Ana Paula Lobo e Luis Osvaldo Grossmann ... 26/05/2020 ... Convergência Digital

Todo cuidado será pouco com a montagem do quadro diretor e técnico da Autoridade Nacional de Proteção de Dados sob o risco de 'ferrar' o avanço da Inteligência Artificial no Brasil, adverte o professor da Universidade Federal de Goiás, Anderson Soares. Em entrevista ao Convergência Digital em pauta, o especialista foi taxativo: 'muita regulação vai matar a Inteligência Artificial no Brasil. IA precisa de dados para acontecer. Não defendo todos os dados abertos, mas precisamos entender que cercear o acesso aos dados vai bloquear o desenvolvimento da IA".

Soares classifica o texto atual da Lei Geral de Proteção de Dados como 'morno', mas teme que mais à frente, em nome da defesa da privacidade, o desenvolvimento da inteligência artificial venha a ser prejudicado no País. "A nossa Lei foi baseada na GDPR europeia, mas não significa que ela é boa. O europeu pensa diferente do asiático, do norte-americano e do latino. Por definição, o dado tem ser aberto", adiciona.

Polêmico, o professor diz que, hoje, o melhor lugar do mundo para o desenvolvimento de inteligência artificial é a Ásia, em especial a China, uma vez que lá os dados pertencem ao Estado. "É claro que tenho ciência de que o governo é dono por conta do regime, mas a verdade é ao cercear o acesso aos dados com muita regulação, está se bloqueando o desenvolvimento da Inteligencia Artificial".

No caso do premiado caso de uso das Johnson & Johnson, os dados usados foram os financeiros, lembra que foi um caso único, inédito e, por isso, mesmo uma iniciativa brasileira sagrou-se à frente de outras de universidades tracionais como a norte-americana Stanford. "De novo, não defendo todos os dados abertos. Mas não podemos matar a inovação. Não podemos ferrar a Inteligência artificial". Assistam o professor Anderson Soares.


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

No Brasil, 47% indicam comprar mais pela internet após Covid-19

Pesquisa da Salesforce também indica que os brasileiros são quase duas vezes mais propensos a fazer compras por meio de redes sociais que em outros países.

Ministério Público defende rastreamento de mensagens no PL das Fake News

Para a Câmara Criminal do Ministério Público Federal, a previsão deve ser mantida porque "mostra-se útil para a investigação de diversos ilícitos". 

Fake News: Sai versão em português de chatbot gratuito de verificação para o WhatsApp

Pelo chatbot da International Fact-Checking Network, usuários do OTT podem verificar se informações específicas que receberam sobre a COVID-19 já foram classificadas como "falsas", "parcialmente falsas", "enganosas" ou "sem evidência" por verificadores profissionais.

Comércio pela internet dispara e movimenta 12% das vendas no Brasil

Segundo pesquisa da Camara-e.net e da Compre & Confie, vendas em junho foram 110% superiores há um ano. Alta no semestre beira os 60%. 

Abranet: faixa de 6GHz não licenciada vai aumentar a competição

Presidente da entidade, Eduardo Neger, lembra que a concessão de espectro para as empresas de Internet ficou 'congelada' e é o momento de ajuste de rumo. "Não nos interessa o peixe de cada tecnologia, mas sabemos defender o cardume, que é o consumidor", acrescentou, ao participar do eForum Wi-Fi 6.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G