TELECOM

O B2B será a 'aplicação matadora' do começo do 5G

Por Roberta Prescott ... 12/11/2019 ... Convergência Digital

As operadoras ao redor do mundo estão lançando redes de quinta geração (5G) seja em caráter já comercial seja como teste. No painel "5G: tecnologias, modelo de negócios e cases", realizado no XII Seminário Telcomp, que acontece nesta terça-feira, 12/11, em São Paulo, Ari Lopes, consultor da Ovum, destacou que 5G vem primeiro como uma evolução e depois causará uma revolução.

A BT, por exemplo, lançou em maio deste ano a rede 5G em Londres (Inglaterra) e depois em outras oito cidades. A meta é chegar a 16 cidades até o fim de 2019 e em 2020 ter o core operando em 5G com tudo integrado. A implantação foi feita em cima da infraestrutura de 4G, conforme explicou Marcelo Leite, diretor da BT Global Services.

"5G vai trazer bastante inovação e para o mercado corporativo diversas soluções de negócios para nossos clientes", afirmou Leite, acrescentando que a BT analisa e conduz testes para aplicações no mercado de mídia para transmissões em grandes eventos e para o atendimento de emergência com equipamentos como de ultrassom conectados à rede 5G.

No Brasil, a Algar tem, há dois anos, um time multidisciplinar que está analisando 5G e acompanhando os movimentos junto aos fornecedores e modelos de negócios que estão sendo lançados. "Mais que entender como será 5G, a Algar está preocupada com decisões que tomamos hoje para nos preparar, como o core da rede móvel, telco cloud", disse Wendel de Melo Vicente, diretor de tecnologia e redes da Algar.

A operadora mineira conta com um centro de inovação que já começou a experimentar modelo de negócios e tem um trial rodando em Uberlândia para demostrar aos clientes e experimentar os novos recursos que 5G traz. "Dividimos 5G em duas fases: a primeira é voltada para o acesso, mas a grande mudança virá com a transformação  do core, com edge computing e segmentação da rede", destacou.

Leonardo Contrucci, diretor de inovação da Claro, chamou a atenção para qual será a aplicação crucial para o mercado de 5G. "Na época de 3G e 4G, não tínhamos uma killer application; não sabíamos que viria um Waze, mas nós, como operadoras, temos de nos preparar, desenvolver soluções com parceiros. Mas, normalmente, como vemos na história as killer applications vêm de outros players e ajudaram a monetizar a rede", sinalizou.

Contrucci defendeu que as soluções B2B, ou seja, para o mercado corporativo são as que vão transformação a sociedade e os países; e afirmou que a operadora está fazendo testes. "São apostas; algumas vão dar certo, outras não. Vamos testar coisas daquilo que achamos que tenha caminho para frente", disse, citando uma projeção de holograma feita recentemente como exemplo de solução que poderia ser usada para ministrar aulas e o mercado de jogos como tendo grande potencial. 

Os painelistas concordaram que as redes de fibra ótica e 5G serão complementares. "Onde você tem fibra ótica o custo do gigabit da fibra será menor. A grande importância de 5G é colocar uma diversidade de soluções e 5G vai ser mais interessante para acesso final em áreas que não têm cobertura da infraestrutura terrestre", apontou Leite, da BT Global Services. Para Wendel Vicente, da Algar, trata-se de uma questão de timing. "A necessidade de investimentos em fibra ótica é anterior ao nível de maturidade de 5G", completou.

Em entrevista à CDTV, do Convergência Digital, Marcelo Leite, diz que testes estão sendo feitos com o mercado corporativo no exterior e adianta que, aqui, já há muitas conversas acontecendo, principalmente, com Internet das Coisas.


Internet Móvel 3G 4G
TIM fecha acordo global com Nokia por IoT corporativa

Operadora é a primeira da América Latina a contratar a solução WING (Worldwide IoT Network Grid) da fabricante finlandesa. Agronegócios e indústria automativa são os alvos preferenciais numa primeira etapa. O valor do contrato não foi revelado pelas partes.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Rodrigo Abreu assume a presidência da Oi em 31 de janeiro

Executivo teve o nome confirmado pelo Conselho de Administração. Abreu já presidiu a TIM e, agora, tem o desafio de fazer a Oi sair da recuperação judicial.

Oi diz que teve prejuízo com o que Lava Jato chama de favorecimento

Em comunicado, operadora lista compra da Brasil Telecom e fusão com a Portugal Telecom entre as causas que resultaram no pedido de recuperação judicial. 

Globo e Netflix se unem contra streaming na Lei da TV Paga

Debate realizado na Câmara federal mostra que há muitas divergências sobre a questão entre os atores do ecossistema sobre a Internet ser ou não enquadrada na Lei do SeAC.

STF suspende lei de Pernambuco que proibia teles de vender SVA associado a telecom

Segundo o ministro Celso de Mello, além de compartilharem as mesmas infraestruturas físicas de suporte, os serviços de valor adicionado integram o processo de convergência tecnológica.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G