TELECOM

Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2020 ... Convergência Digital

Ao discutir os riscos de segurança relacionados à implantação do 5G no Brasil, o comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amin Naves, ressaltou que cabe ao país tomar as medidas que entender necessárias para restringir ações indesejáveis sobre as redes de telecomunicações. Questionado sobre o discurso dos EUA contra fornecedores de equipamentos chineses em geral, e da Huawei em especial, o general lembrou que o risco existe seja qual for o fornecedor estrangeiro. 

“Qualquer empresa, de qualquer país, tem condições de executar ações adversas. O que importa é que as empresas que vierem a participar tenham imposições de segurança e confiança”, defendeu o general Amin ao participar de debate promovido pelo Interlegis nesta quarta, 18/2. “Mas nada disso é razão para bloquear ou banir qualquer empresa, porque qualquer uma pode fazer a mesma coisa. É uma questão de nós nos preparamos para nos opor a isso.”

Ele defende, porém, que essa preparação inclua medidas desde o edital do 5G. “No 5G o que é preciso fazer, na visão da defesa de segurança cibernética, é adotar medida de resiliência desde o momento dos leilões de frequência. Medidas de resiliência cabíveis para nos opormos a essa situação, por exemplo, restringir participação de empresas controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro, impor medidas de represália contratuais e legais severíssimas no caso de ação espúria intencional identificada”, apontou. 

Ele é favorável ao limite de participação de fornecedores, especialmente no core de rede. “Que nenhuma empresa tenha domínio significativo de todo o backbone do 5G. Podemos também diminuir a influência de empresas que sejam controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro. Podemos estruturar o sistema de forma a termos uma divisão de frequência e de áreas com recobrimento de maneira que se alguma tiver problema outra possa cobrir”, enumerou o comandante de defesa cibernética. 

Uma sugestão já apresentada ao governo é a adoção de um ente público – uma empresa estatal, ou uma agência – que atue como integrador da rede. “Uma medida seria ter uma integradora nacional, preferencialmente sobre controle do governo, que possa não só integrar o sistema todo, garantir o serviço, mas que possa também auditar, fiscalizar.”

Assista ao posicionamento do comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amim Naves.


Internet Móvel 3G 4G
"TikTok é vítima inocente da loucura da política e da geopolítica"

A afirmação é de Fred Hu, presidente do Primavera Capital Group, investidor chinês do aplicativo, que soma mais de 800 milhões de usuários no mundo. Segundo ele, a ByteDance, dona do app, vai perder um valor considerável se tiver de vender a operação nos EUA à Microsoft por imposição do presidente Donald Trump. Mercado estima valor global do TikTok em US$ 50 bilhões ou algo em torno de R$ 270 bilhoes.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G