TELECOM

Destravar a construção de redes no Brasil passa por regras mais claras

Por Roberta Prescott e Rodrigo dos Santos ... 21/11/2018 ... Convergência Digital

A Cullen Internacional, a pedido da TelComp, desenvolveu um estudo que vai apontar as boas práticas internacionais e soluções técnico-regulatórias que foram utilizadas em outros países para enfrentar problemas como o de compartilhamento de postes e dutos.

O estudo ainda não foi publicado, mas, durante o XI Seminário Telcomp, realizado no dia 13 de novembro, em São Paulo, o analista sênior da Cullen, Andre Moura Gomes, conversou com a CDTV, do portal Convergência Digital, e antecipou alguns apontamentos. Falando acerca do incentivo à competição, Gomes afirmou que as boas práticas indicam regras detalhadas sobre ofertas de referência que incluem os preços em relação ao compartilhamento de redes.

Sobre entraves para a competição, o especialista apontou a implantação de nova infraestrutura por empresas entrantes, especialmente, em grandes cidades; a dificuldade na ocupação dos dutos, inclusive em prédios e condomínios; e a difusão de formas de resolução de conflitos para acelerar a cooperação entre distribuidoras de energia elétrica e telcos. Assista à entrevista.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Teles fazem campanha por conta digital sem papel

Segundo Sinditelebrasil, 76 milhões de clientes ainda recebem faturas impressas todos os meses – em média, 152 milhões de folhas. 

Consumidores reclamam de proposta da Anatel que reduz conselho de usuários

Idec e Coalizão Direitos na Rede apontam que novo regulamento do Cdust prevê apenas um conselho nacional por operadora, no lugar dos 30 regionais atuais. E que agência suspendeu eleição com 300 mil votos. 

Projeto que torna roaming obrigatório passa na CCT da Câmara

Medida, que na prática já é prevista em leilões de espectro, vale somente para Vivo, Claro, Tim e Oi. 

STF nega recurso e TIM vai pagar multa de R$ 1 milhão por “Ilimitado” e “Liberty”

Em ação iniciada ainda em 2012, Ministério Público do DF reclamou de publicidade enganosa e restrições unilaterais nos contratos. Em nota, TIM “reitera o compromisso com a transparência das suas ofertas de planos e serviços”. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G