Convergência Digital - Home

Caixa-preta da Inteligência Artificial retarda integração com a ciência de dados

Convergência Digital
Convergência Digital - 29/05/2019

Inteligência Artificial (IA) explicável, inteligência contínua e Augmented Analytics estão entre as principais tendências de Data & Analytics com um potencial significativo de ruptura nos próximos três a cinco anos, de acordo com o Gartner. Para a consultoria, até 2022, mais da metade dos principais sistemas de novos negócios incorporarão inteligência contínua, que usa dados de contexto e em tempo real para melhorar as decisões, afirmam especialistas do Gartner.

A inteligência contínua é um padrão de projeto no qual as análises em tempo real são integradas em uma operação de negócios, processando dados atuais e históricos para prescrever ações em resposta a eventos. Esse recurso fornece automação de decisão ou suporte à decisão. A inteligência contínua utiliza várias tecnologias, como análise aumentada, processamento de fluxo de eventos, otimização, gerenciamento de regras de negócios e aprendizado de máquina.

"A inteligência contínua representa uma grande mudança no trabalho da equipe de Data & Analytics", explica Rita Sallam, Vice-Presidente e Analista Diferenciada do Gartner. "É um grande desafio - e uma grande oportunidade - para as equipes de análise e Business Intelligence ajudarem as empresas a tomar decisões mais inteligentes, e em tempo real, em 2019. Esse recurso pode ser visto como o melhor de BI operacional", acrescenta a executiva do Gartner.

A consultoria também aponta os modelos de Inteligência Artificial estão sendo implementados cada vez mais para aumentar e substituir a tomada de decisão humana. No entanto, em alguns cenários, as empresas devem justificar como esses modelos chegam às suas decisões. Para criar confiança com usuários e partes interessadas, os líderes de Data & Analytics devem tornar esses modelos mais interpretáveis ​​e explicáveis.

Infelizmente, aponta o Gartner, a maioria desses modelos avançados de inteligência artificial são caixas-pretas complexas que não conseguem explicar porque chegaram a uma recomendação específica ou a uma decisão. Ferramentas de Inteligência Artificial explicável aplicado como ciência de dados e plataformas ML, por exemplo, gera automaticamente uma explicação de modelos em termos de precisão, atributos, estatísticas de modelos e recursos em linguagem natural.

Outra tendência que está por vir é a Análise Gráfica, que é definida como um conjunto de técnicas analíticas que permite a exploração de relacionamentos entre entidades de interesse, como organizações, pessoas e transações. A aplicação de sistemas de gerenciamento de banco de dados gráficos e de processamento de gráficos crescerá 100% ao ano até 2022 para acelerar continuamente a preparação de dados e permitir uma ciência de análise mais complexa e adaptável.

Com o armazenamento de dados gráficos as organizações podem modelar, explorar e consultar insights de forma eficiente, com complexas inter-relações entre silos de dados. Por outro lado, a necessidade de habilidades especializadas limitou sua adoção até o momento, reporta o Gartner.

 



Destaques
Destaques

Nuvem pública é usada no Brasil para back-up de dados e fluxos locais

A terceira edição da pesquisa Global Data Protection Index, encomendada pela Dell Technologies, mostra ainda que mais de 70% das empresas de médio e grande porte registraram incidentes com dados no Brasil, com um prejuízo médio de R$ 1,5 milhão.

Edge computing vai avançar 226% nos próximos cinco anos

Levantamento global da Vertiv mostra que o edge comuputing ganha papel estratégico no ecossistema de data centers pelo incremento do processamento de dados perto do ponto de uso.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site