Home - Convergência Digital

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Convergência Digital - 26/07/2019

Big Data, Desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética são os cursos mais buscados no Brasil, conforme levantamento feito pela IGTI, escola de pós-graduação com foco em tecnologia. Os cursos voltados para a Gestão de TI, Gestão de Processos de Negócios e Arquitetura de Software também estão entre os preferidos do setor de tecnologia e sistemas da informação.

No último ano, os curso de Big Data foram os mais procurado na plataforma, sendo que 77% dos que procuraram esses cursos são alunos de cargos técnicos e 23% de coordenadores e gerentes. Dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados). A média salarial destes profissionais são de 41% até R$ 7 mil; 30% até R$ 12 mil; 17% até R$ 3 mil e 12% acima de R$ 12 mil.

"A área de Big Data recebe tanto alunos em início de carreira, como também alunos de nível pleno e seniores. Talvez por ser uma área relativamente nova e que deve estar recebendo profissionais mais experientes para reciclagem tecnológica" explica o CEO da instituição, Vinícius Bozzi. Segundo ele, o profissional da área de tecnologia tem oportunidades de trabalho em todos os setores da economia. "Além de poder atuar em diferentes segmentos, o especialista nesta área precisa estar disposto a aprender sempre e preparado para as constantes mudanças e exigências do mercado", acrescenta.

Nesta carreira, reporta o executivo, a atualização constante é essencial."É uma área muito dinâmica, estão sempre surgindo novas linguagens, novos frameworks e é preciso ficar antenado para ser capaz de desenvolver soluções para a maior gama de problemas", diz Bozzi Outgra área bastante procurada é o desenvolvimento full stack, onde os profissionais estão preparados para desenvolver, analisar e dar manutenção de projetos de tecnologia desde seu desenvolvimento até acompanhar seu funcionamento com o usuário final.

No cenário atual, em que as leis de proteção de dados ainda dão seus primeiros passos, a preocupação com segurança cibernética deixa de ser exclusividade de grandes empresas de tecnologia, mas passa a ser fundamental para todos os setores. Por isso, buscar as novidades nesta área tem se mostrado cada vez mais importante.

Os cursos de segurança cibernética habilitam o profissional a realizar análises de risco, implementar arquiteturas de rede com foco em segurança, estabelecer testes de segurança em software e conhecer ferramentas e tecnologias de gestão de identidade e acessos. "Conhecimento em aplicações e infraestrutura é um grande desafio para esse tipo de profissional. Também é importante ter empatia e buscar soluções de acordo com a necessidade de cada empresa." explica Bozzi.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/07/2020
Empresa nacional de big data cria banco de dados com fotos de foragidos da Justiça

23/06/2020
Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

01/06/2020
Empresa brasileira de big data e analytics recebe aporte de R$ 120 milhões

29/05/2020
Serpro e Economia criam ‘Mapa de Empresas’, com Big Data das Juntas Comerciais

28/04/2020
Apenas 4% das empresas usam big data nos negócios no Brasil

30/03/2020
Big data e IA para saúde fazem Semantix comprar a Tradimus

28/11/2019
Big data é o negócio da Serasa Experian

27/11/2019
Petrobras usa supercomputador Santos Dumont para testes em tempo real

12/09/2019
Zipp, supermercado 100% online, expande operação com análise de dados em tempo real

09/09/2019
Teles fazem prova de conceito com a FICO por tomada de decisão

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Acordo trabalhista em Goiás será pago em Bitcoins

Em conciliação realizada pelo TRT de Goiás, empresa de mineração aceitou o pagamento no valor de R$350 mil convertidos na moeda eletrônica. 

Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

Iniciativa também não permite que o tempo de uso dos aplicativos, como o WhatsApp, fora da jornada normal, seja um regime de prontidão. Projeto tem regras distintas da IN 65 do Governo Bolsonaro para os servidores públicos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site