TELECOM

Anatel adia por 120 dias decisão sobre AT&T e destino da Sky

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/09/2019 ... Convergência Digital

A Anatel esticou por mais 120 dias o prazo para voltar a deliberar sobre a compra da Time Warner pela AT&T, nos EUA, com impacto direto no mercado de TV por assinatura no Brasil. Depois de dois votos a favor da operadora americana, o conselheiro Moisés Moreira, com vista do processo, pediu mais 120 dias de prazo para avaliar as consequências do negócio. 

Ao fazer a leitura técnica do caso, a Anatel indicou que a vedação de controle cruzado entre produtores e distribuidores de conteúdo audiovisual, prevista na Lei 12.485/11, a Lei do Seac, proíbe a AT&T de deter, simultaneamente, produtoras como HBO, TNT, Cartoon, etc, que fazem parte da Time Warner, e manter a distribuidora Sky no Brasil, segunda maior operadora de TV por assinatura do país, com 5 milhões de clientes. 

No entanto, ao relatar o processo no Conselho Diretor da agência, Vicente Aquino votou no sentido de acolher a interpretação de que o artigo 5º da Lei do Seac (12.485/11), que veda o mencionado controle cruzado entre operadoras com produtoras e programadoras, concentra explicitamente tal restrição a empresas “com sede no Brasil”. Assim, por ter sede nos EUA, a AT&T não precisaria se desfazer da Sky. 

Com os 120 dias de prazo adicional para que o assunto retorne ao Conselho da Anatel, há boas chances de o tema avançar no campo Legislativo, uma vez que tramita com rapidez no Senado o PL 3.832/19, que exclui a vedação à propriedade cruzada da Lei do Seac. 


Internet Móvel 3G 4G
Infobip e GSMA para oferecer proteção à identidade digital

Os serviços de identificação móvel por meio de SIMs vão gerar US$ 7 bilhões às operadoras em 2024, um impulso de 800% em relação a 2019, de acordo com a Juniper Research.

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G