NEGÓCIOS

Transações por 'maquininhas' são estratégicas para receita dos bancos

Ana Paula Lobo ... 07/05/2019 ... Convergência Digital

A guerra das 'maquininhas' que já provoca embates entre os bancos tradicionais e suas redes e os entrantes do segmento, como o PagSeguro e outros, só deve aumentar daqui da frente. Em 2018, segundo apurou a 27ª edição da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da FEBRABAN, divulgada nesta terça-feira, 07/05, em São Paulo, o número de transações pelas chamadas 'maquininhas' ou POS ultrapassaram, pela primeira vez, às realizadas nas agências bancárias.

O levantamento mostra que, em 2017, foram realizadas 10,9 bilhões de transações por meio das maquinhas e aqui com um adendo relevante: 100% delas com movimentação financeira. Em 2018, esse montante cresceu para 12,6 bilhões de transações. Para se ter uma ideia, nos ATMs, em 2017, 49% das transações foram não financeiras, e 51% foram movimentações financeiras. Em 2018, 42% foram não financeiras, e 58% foram movimentações financeiras. Nas agências, em 2017, 51% das transações foram com movimentação financeira. Em 2018, esse número subiu para 54%.

Se for contabilizar as operações do mobile banking- serviço que mais avançou em 2018 com um aumento na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular de quase 80% no ano passado - as transações com movimentação financeira ficaram em 7% em 2017, e em 2018, subiram para 10%. No Internet Banking, em 2017, 23% das transações foram com movimentação financeira e, em 2018, esse número ficou em 24%.

"Os números do POS foram realmente o fato novo dessa edição de 2018, onde houve um crescimento de 20% nas transações financeiras realizadas por elas. Mas o estudo também mostra que há muito espaço para crescer em transações financeiras nos canais digitais, em especial, no mobile banking, que já foi o protagonista do uso", observa Gustavo Fosse, diretor de Tecnologia da Febraban.

De acordo com o estudo, o número de transações bancárias com movimentações financeiras cresceu cerca de 33%. O avanço de 80% na quantidade de transações com movimentações financeiras por celular foi puxado, principalmente, pelo crescimento número de contas pagar por esse canal (que chegou a 1,6 bilhão, em 2018) e de 119% na quantidade de DOCs, TED e outras transferências de quantias em contas bancárias (862 milhões). O número de contas abertas ficou estável: 155 milhões.

O levantamento da Febraban registrou, também, um boom de contas abertas por meio do mobile banking: foram 2,5 milhões em 2018 ante 1,6 milhão no ano anterior. O internet banking não fica atrás nesse quesito, já que registrou a abertura de 434 mil contas no ano passado, bem acima das 26 mil, em 2017. Também houve um forte incremento de 60% na contratação de crédito por aplicativos de celular; e os investimentos e aplicações feitas pelo mesmo canal cresceram 36%. A pesquisa CIAB Febraban contou com a participação de 20 bancos, que representam 91% dos ativos da indústria financeira no País. mas não contou com a participação dos chamados bancos digitais, que não são filiados à Federação Brasileira de Bancos.




ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G