Home - Convergência Digital

Para Qualcomm, blocos pequenos no leilão 5G preocupam

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 07/11/2019

Fornecedora dos chipsets de imensa parte dos smartphones, a Qualcomm defendeu mudanças no edital do 5G, ao menos sobre os termos colocados na minuta apresentada pelo relator, mas ainda sujeita a alterações. Como destacou o diretor de relações governamentais da empresa durante o Workshop 5G no Brasil, Francisco Soares, o tamanho dos blocos é um dos pontos que merecem debate. 

“Há preocupações com relação ao tamanho dos blocos. O tamanho de 50 MHz é pequeno. Poderia ser maior o bloco mínimo, talvez 60 MHz, que faria mais sentido do ponto de vista da tecnologia. E o prazo da licença de 15 + 5 anos parece um prazo curto. A operadora precisa ter mais segurança, um tempo maior. Até porque as margens são muito pequenas. Portanto vários aspectos precisam ser estudados com mais calma e discutidos com a Anatel na consulta pública”, defendeu Soares.  

Além disso, a introdução de um novo modelo, de lances combinatórios, é fator de dúvida. “De uma forma geral a proposta é boa, tem vários pontos positivos. Tem coisas que podem ser melhoradas, e para isso tem a consulta pública, para discutir melhor. O modelo CCA pode ser que dê certo, se a Anatel se preparar bem. Mas ninguém tem dúvida que é um processo mais complicado que um leilão normal. Não quer dizer que vai dar errado ou que seja ruim. Mas pode ser mais complicado.”

Para a Qualcomm, mesmo com a necessidade de ajustes, seria importante o leilão ser realizado ainda em 2020. “O grande mérito de ter a proposta é já ter saído. Começou alguma contagem regressiva. Dá para fazer no ano que vem se as coisas que precisam ser endereçadas puderem ser resolvidas em um prazo curto. Se houver resposta da agência para esse timing burocrático, TCU, etc, a gente consegue fazer no início do segundo semestre. É o nosso desejo. Sair em 2020, não em 2021, já seria uma coisa bastante positiva.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/11/2019
Americanet define 5G como estratégico no seu negócio

18/11/2019
5G: Com testes favoráveis a filtros, teles rejeitam banda Ku como saída para 3,5 GHz

11/11/2019
5G exige políticas públicas e apoio do Governo

11/11/2019
Satélites vão ter papel central no ecossistema do 5G

11/11/2019
Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

08/11/2019
Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

08/11/2019
Ericsson: 72% dos decisores querem 5G em 2020 no Brasil

07/11/2019
Anatel adia e edital do 5G tende a ficar para 2020

07/11/2019
5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

07/11/2019
TelComp: 5G terá novos atores no ecossistema de Telecomunicações

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site