Home - Convergência Digital

Para Qualcomm, blocos pequenos no leilão 5G preocupam

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 07/11/2019

Fornecedora dos chipsets de imensa parte dos smartphones, a Qualcomm defendeu mudanças no edital do 5G, ao menos sobre os termos colocados na minuta apresentada pelo relator, mas ainda sujeita a alterações. Como destacou o diretor de relações governamentais da empresa durante o Workshop 5G no Brasil, Francisco Soares, o tamanho dos blocos é um dos pontos que merecem debate. 

“Há preocupações com relação ao tamanho dos blocos. O tamanho de 50 MHz é pequeno. Poderia ser maior o bloco mínimo, talvez 60 MHz, que faria mais sentido do ponto de vista da tecnologia. E o prazo da licença de 15 + 5 anos parece um prazo curto. A operadora precisa ter mais segurança, um tempo maior. Até porque as margens são muito pequenas. Portanto vários aspectos precisam ser estudados com mais calma e discutidos com a Anatel na consulta pública”, defendeu Soares.  

Além disso, a introdução de um novo modelo, de lances combinatórios, é fator de dúvida. “De uma forma geral a proposta é boa, tem vários pontos positivos. Tem coisas que podem ser melhoradas, e para isso tem a consulta pública, para discutir melhor. O modelo CCA pode ser que dê certo, se a Anatel se preparar bem. Mas ninguém tem dúvida que é um processo mais complicado que um leilão normal. Não quer dizer que vai dar errado ou que seja ruim. Mas pode ser mais complicado.”

Para a Qualcomm, mesmo com a necessidade de ajustes, seria importante o leilão ser realizado ainda em 2020. “O grande mérito de ter a proposta é já ter saído. Começou alguma contagem regressiva. Dá para fazer no ano que vem se as coisas que precisam ser endereçadas puderem ser resolvidas em um prazo curto. Se houver resposta da agência para esse timing burocrático, TCU, etc, a gente consegue fazer no início do segundo semestre. É o nosso desejo. Sair em 2020, não em 2021, já seria uma coisa bastante positiva.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/05/2020
Anatel: Parabólicas comprometem porta de entrada do 5G no Brasil

21/05/2020
Anatel confirma que filtros não resolvem interferência do 5G nas parabólicas

14/05/2020
Ericsson: Compartilhamento de espectro permite 5G às teles antes do leilão

12/05/2020
Pioneira no 5G, Coreia do Sul projeta redes standalone até o fim de 2020

11/05/2020
Ericsson: Covid-19 aumentou a demanda por 5G

08/05/2020
Anatel já sinaliza que Covid-19 vai adiar leilão do 5G para 2021

08/05/2020
Interferência nas parabólicas pode reduzir espectro para 5G

06/05/2020
Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

30/04/2020
Qualcomm: Covid-19 não impede o leilão do 5G ainda em 2020

23/04/2020
CPQD sugere laboratório nacional de 5G sob gestão da GSI e da Anatel

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site