GOVERNO » Política Industrial

Proposta prevê crédito tributário amplo para compensar fim do IPI na Lei de Informática

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 31/05/2019 ... Convergência Digital

A três semanas para o primeiro prazo negociado com Japão e Europa para os ajustes nos incentivos que o Brasil concede a fabricantes de eletrônicos, o governo já soltou até aqui uma dúzia de propostas de ajustes nos processos produtivos básicos de equipamentos. Mas se nesse campo o prazo tende a ser cumprido sem problemas, o debate sobre o segundo prazo, que envolve mudança na própria Lei de Informática (8.248/91), ainda precisa avançar para uma proposta consolidada a ser incluída em projeto de lei ou Medida Provisória.

O primeiro prazo vence em junho. O segundo em 31 de dezembro. E como explica o coordenador-geral de estímulo ao desenvolvimento de negócios inovadores do Ministério de Ciência e Tecnologia, Henrique Miguel, a partir de estudos do próprio MCTIC, do Ministério da Economia e de associações de fabricantes como Abinee, Abisemi e P&D Brasil, a proposta à mesa prevê um sistema mais abrangente de créditos tributários do que aquele que foi utilizado para a indústria automobilística.

“Nossa proposta é de um crédito tributário de uma forma mais ampla, um pouco diferente do que foi concedido no Rota 2030, considerando a peculiaridade das empresas. Temos grandes empresas, entre 20 e 30, que representam até 70% do total do faturamento das empresas incentivadas. Mas temos outras 600 empresas beneficiárias de pequeno e médio porte que têm uma questão chave por investirem muito mais em P&D que o percentual mínimo. Nesse conjunto tem empresas para as quais um crédito tributário no Imposto de Renda não traria nenhum benefício. Mas isso ainda está sendo levantado e explicado a todos os órgãos de governo”, diz Henrique Miguel.

Até esta sexta, 31/5, o governo já tinha publicado as 10 PPBs mais importantes para cumprir o prazo de junho – e o Diário Oficial da União trouxe outras duas, para impressoras e terminais bancários. “Aqueles processos produtivos que têm mais impacto estão sendo alterados primeiro. Os dez primeiros representam 90% do mercado e com isso a gente entende que o esforço de cumprir o acordo está sendo realizado e não devemos ter problemas”, conta o coordenador de negócios inovadores do MCTIC.

E embora já exista um esboço de proposta técnica, ele lembra que o segundo prazo envolve o fator de aprovação no Congresso Nacional. “O segundo prazo diz respeito à alteração em si da Lei de Informática para retirar o benefício que a OMC considera como indireto, que é a redução do IPI. E isso exige alteração na Lei de Informática. Só pode ser feito projeto de lei ou Medida Provisória. Esse prazo é 31 de dezembro. A partir de 1o de janeiro, então, o novo mecanismo de incentivo da Lei de Informática já deverá estar em vigor. E esse não tem como cumprir parcialmente.”

Antes de convencer parlamentares, no entanto, é preciso antes conquistar adesão interna no governo. “A equipe técnica dos ministério de Ciência e Tecnologia e a secretaria especial de indústria do Ministério da Economia está formulando as primeiras propostas de alteração. Isso começou ainda no ano passado e algumas alternativas foram estudadas. Associações da indústria também apresentaram propostas. Isso está sendo consolidado em uma proposta técnica para ser discutida nas diferentes esferas do governo. E o próprio Itamaraty vai avaliar se não resta nada potencialmente ofensivo às regras da OMC e do GATT para então submeter ao Congresso.”


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

Subprocurador-geral, Lucas Rocha Furtado, diz que as terceirizações são uma forma de driblar a obrigatoriedade de concurso público, previsto na Constituição. Também alega que as terceirizações estão sendo feitas para 'satisfação de interesses pessoais', mediante direcionamento na indicação de profissionais.

MCTIC vai cruzar dados com a Receita em novo formulário da Lei do Bem

Segundo a diretoria de apoio à inovação da pasta, foco do novo FORMP&D é a segurança. “Ideia é assegurar que quem está prestando os registros são os representantes dessas empresas”, diz a diretora Adriana Martin.

Serpro e Dataprev unificam mais de 22 milhões de contas de brasileiros

Usuários, agora, terão um único login para acessar a plataforma gov.br e as mais de 80 soluções disponíveis de governo digital, entre elas, INSS e ComprasNet. Acesso ao portal poderá ser feito por CPF, senha e certificado digital A3, que serve para pessoas físicas e jurídicas.

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G