Convergência Digital - Home

Reforma tributária é um assalto e ao software e serviços em geral

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Pedro Costa - 16/10/2019

Se o setor de tecnologia da informação por vezes precisa lutar pela segurança tributária entre estados e municípios, um cenário muito mais preocupante se avizinha com a eventual aprovação da reforma tributária como em discussão no Congresso Nacional. “É um desastre. O maior assalto aos contribuintes”, alerta o diretor jurídico da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), Manoel dos Santos.

“Na forma como está desenhada a reforma tributária é um conluio entre a União, estados e municípios em conjunto com o setor de comércio e serviços para aumentar a tributação do serviço em geral. É um desastre a reforma como está criada. E não é só o setor de tecnologia da informação. Todo o setor de serviços precisa se unir contra essa reforma tributária”, afirmou durante o ABES Conference, em São Paulo. 

Ele explica que há dois tipos de PIS e Cofins, a modalidade  cumulativa, de 3,65% e não cumulativa, 9,25%. O artigo 10 da Lei 10.833 lista as atividades na modalidade cumulativa, 3,65%. E toda a empresa tributada pelo lucro presumido paga PIS e Cofins de 3,65%. “Quando soma 3,65% com o ISS, tem empresas que paga 2%, dá 5,65%. Mas vai pagar PIS e Cofins de 9,25%, mais o ISS, que pode ser de 2% a 5%. Vai subir a carga tributária de 5,65%, ou 14,25%, para 25%. Na melhor das hipóteses, vai aumentar 10,5% em relação à matriz que tem hoje.”

Para o diretor da ABES, o setor de serviços precisa se unir para a reforma não ser aprovada. “Vai aumentar serviço médico, transporte, educação. A reforma tributária vai afetar de maneira especial o pobre. Já vimos escola sendo invadida porque o estudante não queria pagar 30 centavos a mais na passagem de ônibus. A Câmara Municipal foi invadida porque os funcionários da prefeitura não queriam aumento de 11% para 14% no INSS.  Agora tá acontecendo o maior assalto aos contribuintes, uma carga tributária que vai refletir na inflação e no custo de vida e ninguém fala nada. Não consigo entender como a sociedade se silencia com essa reforma que se avizinha.”


Destaques
Destaques

Governo negocia para transformar Foz do Iguaçu em zona franca para datacenters

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Elisio de Menezes, conta que negocia a incorporação dos datacenters em uma classe especial para consumo de energia, ativo que mais encarece as operações no Brasil.

Disseminação de serviços em nuvem puxa investimentos globais em TI

Segundo projeções da consultoria Gartner, gastos devem bater em R$ 15 trilhões neste ano e crescer 3,7% em 2020, puxados por cloud computing. 



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site