SEGURANÇA

Huawei: cibersegurança e privacidade exigem transparência

Por Roberta Prescott ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Um dia depois de Geoffrey Starks, comissário da agência de telecomunicações dos Estados Unidos, a FCC, ter aproveitado sua palestra no Futurecom 2019 para insistir que o Brasil, assim como toda a América Latina, deveria seguir o exemplo que vem do Norte e impedir "redes chinesas inseguras" na implantação do 5G, Mika Lauhde, vice-presidente Global de Cibersegurança da Huawei, declarou que a pressão para não se usar equipamentos da empresa faz parte de uma guerra comercial.

"Hoje estamos experimentando uma guerra comercial. É a primeira vez que cibersegurança e privacidade estão sendo usadas como armas. Estamos sentido os efeitos colaterais da pressão para não se usar componentes da Huawei. Mas os Estados Unidos não são capazes de provar evidências contra a Huawei", declarou o executivo finlandês, que também trabalha há 15 anos na Agência de Cibersegurança da União Europeia (Enisa) e que, antes da Huawei, atuou na Nokia.

Aos jornalistas, Lauhde lembrou que a Huawei abriu o código fonte e o colocou à disposição de governos como forma de mostrar que não tem nada malicioso. "Há nove anos fazemos isto com o Reino Unido e nunca falaram nada de ruim do nosso software", disse. Alemanha, Canadá e Bélgica também têm acesso e, de acordo com ele, nem EUA nem Brasil solicitaram analisar o código fonte. "Minha intenção é que outras companhias, concorrentes, façam o mesmo, porque transparência constrói segurança", provocou.

Lauhde afirmou que não percebeu mudanças na relação com o governo brasileiro e nem por parte das prestadoras de serviços de telecomunicações. "As operadoras são a parte mais fácil, porque trabalhamos com elas há 30 anos e elas sabem o que está acontecendo com as redes delas. Convencer os governos é mais difícil", afirmou. O VP disse que sentiu os questionamentos por parte das telcos há dois anos, mas que depois elas rapidamente entenderam que as colocações do governo dos Estados Unidos se tratavam de política e guerra comercial. À CDTV, do Convergência Digital, o vice-presidente global de cibersegurança da Huawei, Mika Lauhde, fala sobre cibersegurança, guerra comercial e Huawei. Assista.


Zoom é isca em 99% dos ataques com ferramentas de ensino online

Segundo levantamento das empresas de segurança Kaspersky, em todo o mundo invasões desse tipo cresceram 20.000%. Brasil é o quinto país mais atacado. 

Ataques de phising crescem 600% na AL. Netflix é o alvo dos hackers

Campanha em nome da OTT se distribui por meio de um e-mail com o assunto "Alerta de notificação". A mensagem informa sobre uma suposta dívida acumulada em nome da vítima que pode levar à suspensão do serviço caso não sejam tomadas medidas rápidas.

Prejuízo médio com violação de dados sobe para R$ 5,8 milhões no Brasil

Estudo da IBM mostra que o aumento no valor foi de 10,5% em relação a 2019. O levantamento traz uma advertência: aumentou o prazo para contenção do vazamento nas empresas para 115 dias. Credenciais roubadas ou nuvens com configurações incorretas foram as brechas para as invasões.

Segurança digital faz Oi ultrapassar a marca de 125 mil elementos monitorados em SOCs

SOCs, localizados no Rio de Janeiro e São Paulo, dão suporte à jornada digital de clientes públicos e privados e registrou um crescimento de 132% nas vendas de serviços gerenciados voltados à transformação digital.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G