Home - Convergência Digital

Edge computing é base para aplicações 5G

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 10/10/2019

Edge computing é crucial para as novas aplicações para as redes 5G. Esta é uma das conclusões do relatório '5G at the Edge', publicado pela 5G Americas, para tratar da evolução da nova geração de telefonia móvel. A Edge Computing é um conceito de descentralização que envolve a localização de aplicativos e sua infraestrutura geral de computação, armazenamento e as funções associadas de comutação e controle em locais mais próximos do usuário final e/ou terminal de IoT.

O relatório da 5G Americas analisa o papel da Edge Computing na evolução da arquitetura 5G, a aplicação de padrões nativos da computação em nuvem como redes definidas por software (SNDs) e virtualização de funções de rede (NFV), e identifica várias metodologias adotadas para aplicações 5G. O relatório aborda novos casos de uso e descreve as exigências necessárias para viabilizar as capacidades avançadas de mobilidade, computação e armazenamento em novas redes sem fio 5G.

O relatório também apresenta uma visão das várias iniciativas open source e setoriais que existem para definir as novas arquiteturas EDGE. Além disso, o documento define a arquitetura de referência para a próxima geração Edge e analisa as possibilidades futuras para redes. "Estamos criando uma nova arquitetura baseada em tecnologias centradas em dados, como análises, redes e armazenamento para sistemas 5G, que operam com a Edge Computing, que terá um grande impacto sobre a operação de redes sem fio no futuro", disse Rao Yallapragada, Diretor de Tecnologias Avançadas da Intel, e um dos líderes do grupo de trabalho que produziu o relatório.

As principais conclusões do relatório são:

A Edge Computing é fundamental para as novas aplicações desenvolvidos para redes 5G, como a realidade virtual e aumentada em eventos, análises de vídeo e fala, monitoramento remoto para videosegurança, entre outros, que exigem menos latência para operar em tempo real.

A Edge Computing pode viabilizar aplicações de realidade aumentada. A tecnologia também cria oportunidades para análises de vídeo e fala. Ela acelera a Internet aprimorando a gestão de conteúdo local. Com a Edge Computing, as redes 5G conseguem levar saúde, segurança e produção industrial para locais remotos através de comunicações ultraconfiáveis de baixa latência.
   
A 5G incorpora a Edge Computing em redes sem fio ao lado de novas iniciativas e padrões de código aberto para administrar dados na rede inteira, desde acesso via rádio, transporte, até no core - criando novos e poderosos recursos como o fatiamento de rede.
   
A Edge Computing usa tecnologias inovadoras de inteligência artificial e aprendizagem de máquina para aprimorar a gestão de dados em rede.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/11/2019
Americanet define 5G como estratégico no seu negócio

18/11/2019
5G: Com testes favoráveis a filtros, teles rejeitam banda Ku como saída para 3,5 GHz

11/11/2019
5G exige políticas públicas e apoio do Governo

11/11/2019
Satélites vão ter papel central no ecossistema do 5G

11/11/2019
Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

08/11/2019
Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

08/11/2019
Ericsson: 72% dos decisores querem 5G em 2020 no Brasil

07/11/2019
Anatel adia e edital do 5G tende a ficar para 2020

07/11/2019
5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

07/11/2019
TelComp: 5G terá novos atores no ecossistema de Telecomunicações

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site