" /> UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia - Convergência Digital - Internet Móvel 3G e 4G
Home - Convergência Digital

UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

Convergência Digital* - 06/07/2020

A Vivo Empresas, - segmento corporativo da Telefônica Brasil  - é a fornecedora de conectividade 4G e aplicações baseadas em Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) para mais de 88 mil hectares da Fazenda Guanabara, da UISA - uma das principais produtoras de bioenergia do País - no estado de Mato Grosso. A infraestrutura de conexão, além da rede 4G, inclui as redes Narrow Band IoT (NB-IoT) e Long Term Evolution for Machines (LTE-M), específicas para suportar todas as aplicações em IoT do projeto. Os valores do contrato não foram revelados pelas partes.

Enquanto a rede NB-IoT responde melhor por dispositivos estáticos - com aplicações de sensoriamento do clima como temperatura ambiente, humidade do solo e incidência solar, tipicamente utilizadas em estações meteorológicas - a tecnologia LTE-M apresenta melhor performance em aplicações que demandam mais mobilidade, como telemetria de maquinários agrícolas. A Vivo ainda será a responsável pela infraestrutura física que compõe o projeto, como a construção de torres, fornecimento de equipamentos eletrônicos para a prestação de serviço móvel e mais de 300 dispositivos baseados em IoT.

Com as soluções IoT Agro da Vivo, a UISA passará a ter uma produção mais digitalizada e ainda mais eficiente. De acordo com empresa, essa digitalização possibilitará a tomada rápida de decisões de negócio e de maneira ainda mais eficiente, apoiada por um ecossistema de IoT completamente aderente às necessidades do campo.

"A conectividade é a base para trazer mais inteligência ao agronegócio. Priorizamos levar às empresas, como é o caso da UISA, um amplo ecossistema de inovação ao agronegócio, que além da conectividade embarca soluções inteligentes e relevantes, que de fato ajudam a resolver os desafios da digitalização do campo. Todos os projetos são integrados em plataformas exclusivas de gestão, com foco no aumento da produtividade com menor custo operacional e otimização de recursos", explica o head de IoT, Big Data e Inovação B2B da Vivo, Diego Aguiar.

O diretor financeiro e de Novos Negócios da UISA, José Fernando Mazuca, afirma que a parceria com a Vivo tem potencial para alavancar a utilização das tecnologias disponíveis e criar um ambiente dinâmico e veloz para tomada de decisão, através da captação de dados da operação no campo em tempo real, trazendo eficiência e produtividade para o processo.

"Na forma como estamos estruturados hoje, os dados demoram de 3 a 4 dias para serem processados, e sempre estamos olhando no retrovisor. O projeto também vai permitir que a UISA e seus parceiros passem a vanguarda do desenvolvimento, utilizando da rede para criar novas ferramentas e soluções para ganho de eficiência", acrescenta.

Para Rodrigo Gonçalves, gerente executivo de TI da UISA, esclarece que o principal obstáculo a ser mitigado pela implantação da rede 4G no campo é a velocidade da informação. A parceria entre a UISA e a Vivo quebra uma barreira que há muito tempo afeta o agronegócio brasileiro.

"Hoje o campo está automatizado, mas não temos os dados em tempo real. Contamos com o Sugar (assistente virtual) onde podemos consultar nossa produtividade. Todo o nosso setor de Corte, Colheita e Transporte (CCT) é automático através de sensores e software, toda coleta de ponto e produção automática conta com o apoio de Inteligência Artificial e Machine Learning, mas no final do dia, esbarramos em comunicação. Não conseguimos estar online o tempo todo e assim, não tiramos proveito 100% das nossas automações", explica Gonçalves.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

29/07/2020
Unida às rivais pela Oi Móvel, Vivo entra na briga pela rede neutra de fibra

28/07/2020
A10 e CLM lançam laboratório de capacitação em IoT/5G

17/07/2020
Vivo abre processo seletivo para mais de 200 profissionais

17/07/2020
Do Brasil para o mundo: IoT na irrigação de precisão

15/07/2020
Vivo terá 5G DSS, mas cobra leilão do 3,5GHz no começo de 2021

15/07/2020
Covid-19: Vivo antecipa R$ 1 bilhão a fornecedores

06/07/2020
UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

02/07/2020
Depois da TIM, Vivo e Claro também são multadas em R$ 800 mil

01/07/2020
ConectarAgro quer 13 milhões de hectares na área rural com conexão 4G até o fim de 2021

29/06/2020
Vivo Play embarca Amazon Prime Video em sua plataforma

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site