Convergência Digital - Home

Serpro assume a gestão do datacenter da CGU

Convergência Digital
Convergência Digital* - 25/08/2020

O datacenter da Controladoria Geral da União já está rodando no Centro de Dados do Serpro, em Brasília, desde o final de julho. A contratação do serviço foi feita em dezembro do ano passado, por um período de 30 meses, e tem um valor de R$ 6,6 milhões. “Definimos uma área em nosso Data Center e providenciamos a Infraestrutura, de cabeamento lógico e energia, para receber os equipamentos da CGU. Ocorreu um planejamento de meses com conversas entre as equipes da Controladoria e do Serpro para definir a melhor forma e topologia para receber os equipamentos”, explica o chefe da Divisão de Infraestrutura do Centro de Dados Brasília do Serpro, Júlio Eustáquio.

Para o responsável pela Divisão de Infraestrutura da CGU, Gustavo Souza, o colocation é uma modalidade de contrato vantajosa, porque evita altos custos para criar e manter um Data Center. “O principal benefício é que a CGU não precisa investir em equipamentos e infraestrutura, porque esse serviço será prestado pelo Serpro. E nós podemos, basicamente, nos dedicar ao que é mais importante para a Controladoria, que é o serviço de TI. Fizemos um estudo interno para contratar uma empresa especializada que faça esse tipo de serviço, e contratamos o Serpro”, ressalta.

Segundo estimativa da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, o Governo Federal ainda possui 133 Data Centers em diferentes órgãos da Administração Pública. A construção de um DC demanda um investimento significativo, incluindo, custo de manutenção. O serviço de colocation, além de trazer economia de infraestrutura e monitoramento, inclui vários outros serviços, como controle de acesso, sistema de refrigeração, fornecimento de energia elétrica, monitoração por circuito fechado de TV, detecção e combate a incêndios. O contrato da CGU com o Serpro prevê ainda o aluguel da estrutura da estatal para hospedar seus servidores. Além do aluguel do espaço físico e lógico, o acordo de colocation inclui serviços de segurança e energia.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site