Home - Convergência Digital

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

A demanda de investimentos massivos em infraestrutura, para endereçar o que a Anatel aponta como lacunas de redes no país, merece atenção do Poder Público. Como é regra acontecer na maioria dos países, a implementação da nova tecnologia representada pelo 5G deve ser acompanhada de políticas públicas, destacou o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, ao participar do Workshop 5G no Brasil. 

“Existe uma necessidade muito grande de políticas públicas para fazer implementação de qualquer nova tecnologia, mas principalmente no caso do 5G que é uma tecnologia disruptiva e afeta toda a cadeia econômica do país. É uma forma que o Brasil tem de crescer sem precisar de mágicas, de planos. Basta deixar o 5G ser implementado e ele vai ter impacto direto no PIB, na economia, na qualidade de vida do cidadão”, disse o diretor da Huawei. 

Como indicou, são várias formas em que o governo pode atuar. “Na questão do espectro, por exemplo, é importante que o leilão não atrase a implantação do 5G. Que seja feita de forma adequada, não precisa ter pressa, tem que ser bem feito, mas também que a gente não tenha atrasos desnecessários para que isso possa ser implementado rapidamente.”

“Por outro lado, 5G precisa de suporte para escoar esse tráfego, backhaul. Todo mundo fala que vai ter tráfego de 10, 20, 50 ‘giga’, mas para onde vai isso? Tem que escoar. No mundo inteiro tem política pública que estimula a implementação de backbones, que estimula aqueles que já existem sejam usados de forma efetiva. Alguns cabos de fibra, OPGWs das empresas de transmissão de energia não estão sendo bem utilizados, mas é importante que seja feito. É desperdício de recursos”, lembrou. 

Outro ponto é a infraestrutura nas cidades. “A Lei das Antenas, se estivesse sendo cumprida pelas prefeituras, estaríamos em fase mais avançada. E tem a questão do direito de passagem, que não é cumprido inclusive por órgãos federais. Nas cidades os procedimentos de licenciamento precisam ser simplificados. Portanto políticas públicas locais e federais precisam ser modernizadas para chegarmos no 5G. Se hoje as empresas não conseguem licenciamento para o 4G, imagine no 5G que vai ter exigir mais antenas.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

11/12/2019
Teles querem filtros nas parabólicas e 100 MHz adicionais no leilão 5G

09/12/2019
Ericsson assume culpa e fecha acordo de US$ 1,06 bi com a Justiça dos EUA

09/12/2019
Casa Civil oficializa entrada do 5G no Programa de Parcerias de Investimentos

05/12/2019
Cloud Native: o que muda com a chegada do 5G

05/12/2019
Anatel decide dia 12 o modelo para 5G, sem mexer nas parabólicas

03/12/2019
Teles lançam site Fique Antenado! para incentivar instalação de antenas

03/12/2019
5G x Parabólicas: Teles defendem filtros. TVs migração para a banda Ku

02/12/2019
Fiat Chrysler pode replicar modelo de MVNO no Brasil para carro conectado

29/11/2019
Itália promove primeira cirurgia assistida em rede 5G da TIM

27/11/2019
Sem as teles, fabricantes pedem leilão rápido e TVs insistem em interferência do 5G

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Teles não podem repetir 4G e serem engolidas pelas OTTs no 5G

“A gente não pode perder o bonde da aplicação, como aconteceu com Netflix, Spotify, Google, YouTube. Precisamos participar da cadeia de faturamento”, afirma o consultor de telecom da Claro, Carlos Alberto Camardella. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site