Home - Convergência Digital

Assespro é contra a regulamentação da profissão de TICs

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 16/05/2019

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação – Federação Assespro, por meio de nota oficial, divulgada nesta quinta-feira, 16/05, se posiciona contrária ao PLS 317/17, que pretende regulamentar o exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro de Sistemas, Analista de Redes, Administrador de Banco de Dados, Suporte e profissões correlatas.

No informe, a Assespro enumera as razões para ser contra à legislação:

- num texto que possui apenas quatro parágrafos, a única justificativa dada para o projeto é "privilegiar o profissional da área" (sendo que um parágrafo convoca os pares do proponente do projeto a aprová-lo

De outra parte, inúmeros projetos semelhantes foram arquivados no Congresso Nacional nos últimos 30 anos, porque:

- a obtenção de um diploma em curso superior da área, em constante evolução, não garante a perenidade da qualidade de nenhum profissional;

- o setor sofre sistematicamente de recursos humanos capacitados, e será ainda mais prejudicado com limitações no exercício das profissões, conforme proposto;

- as atividades do setor de Tecnologia da Informação evoluem em velocidade superior a capacidade de evoluirmos com a legislação, o que engessaria o setor no país (e levaria a migração dos empregos para o exterior) – hoje existem dezenas de profissões no Setor que não existiam há apenas dez anos;

- a própria Sociedade Brasileira de Computação, que congrega professores que formam os profissionais de TI no país, vem se manifestando contraria a legislação deste tipo há décadas;

- o uso crescente da TI tem atraído profissionais de outras áreas, como médicos, educadores, engenheiros e advogados, tanto como profissionais quanto como empreendedores, auxiliando em aplicar a TI em suas áreas específicas de conhecimento e desenvolvendo projetos multidisciplinares;

- nenhum país neste planeta possui legislação deste teor;

Ao final da nota oficial, a Assespro recomenda à Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, a rejeição do PLS 317/17 na íntegra. De acordo com a entidade das empresas de TI, nas "situações nas quais é preciso garantir a qualificação dos profissionais de TI, já existem mecanismos de certificação implementados, sobre os quais a justificativa que acompanha o próprio PLS não apresenta qualquer objeção.'

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/09/2019
Graduação em Ciências de Dados terá 2610 horas

11/09/2019
Automação e IA exigem que Brasil reeduque sete milhões em três anos

09/09/2019
Centro de Inovação abre 100 vagas com jornada flexível e home office

09/09/2019
Governo prioriza banco de talentos para servidores federais

05/09/2019
Embraer abre 150 vagas para estágio e usa Inteligência Artificial

04/09/2019
Existem mais de 2 mil vagas abertas para DevOps no Brasil

02/09/2019
Governo esvazia Ciência e Tecnologia e corta bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado

14/08/2019
A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

13/08/2019
RH da OLX define planos de cargos e salários como ultrapassados

12/08/2019
Programa Fábrica de Talentos capacita mais de 300 alunos

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site