INCLUSÃO DIGITAL

Claro vence licitação do MEC para prover chips a estudantes.Oi fica de reserva

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/08/2020 ... Convergência Digital

O Ministério da Educação anunciou nesta segunda, 17/8, que a Claro foi a escolhida para fornecer chips a alunos de instituições federais de ensino superior e profissionalizante. A Oi foi selecionada como ‘reserva’ para casos não atendidos pela Claro. E a Algar já tinha sido anunciada para fornecer pacotes adicionais, no caso de alunos que já tenham dispositivos com planos de dados. 

Como explicou o MEC em apresentação online realizada nesta segunda, a primeira etapa começa com 72 mil estudantes de 25 universidades que já estão com atividades remotas. Alunos das outras 44 universidades federais poderão receber chips ou pacotes de dados à medida em que as instituições retomem o calendário com aulas à distância. Com as escolas profissionalizantes, o programa alcança 110 instituições em 797 municípios.

“O percurso administrativo, toda a burocracia interna, nos torna um pouco mais lentos e isso foi uma das causas pela qual a gente demorou um pouco mais para oferecer isso. É uma boa iniciativa colocar à disposição dos alunos que não têm condições de comprar. Os números indicam, sobretudo nas escolas federais, que 90% dos alunos já possuem equipamento então vamos fornecer os chips. Cerca de 400 mil alunos vão poder ter acesso nesse projeto”, disse o ministro Milton Ribeiro. 

O MEC e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, responsável pela contratação das operadoras, levantaram junto às instituições federais que existem 900 mil estudantes em situação de vulnerabilidade, aí considerados aqueles com renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo. Neste momento, a contratação poderá beneficiar 400 mil deles, com renda familiar de até meio salário per capita. Mas de começo são aqueles 72 mil que estão em instituições com aulas remotas já implementadas. 

Inicialmente, a ideia é fornecer os chips ou pacotes de dados durante o período “oficial” da pandemia, previsto no Decreto de calamidade pública, portanto até 31 de dezembro deste 2020. Nesse caso, considerando que os 400 mil estudantes previstos sejam contemplados, o custo do programa até o fim do ano será de R$ 24 milhões. A depender da modalidade, os preços variam entre R$ 0,50 a R$ 2,28 por GB/mês. Mas como indicou o presidente da RNP, Nelson Simões, o modelo pode ser ampliado em 2021. 

“Essa solução é um template, mostra que é possível construir soluções que serão muito importantes, superado esse período da pandemia, para conectividade e inclusão dos domicílios dos alunos. Cada vez mais a educação será de forma híbrida, presencial e remota, e assim podemos construir modelos a partir de 2021 para essa inclusão, com banda larga fixa em conjunto com a banda larga móvel.”

Para atender os alunos, a RNP fez duas contratações. Uma para os pacotes de dados, a serem fornecidos pela Algar, para atender aqueles alunos que já possuem o dispositivo com acesso à internet. São planos de 10 GB a 40 GB. A outra é para a distribuição de chips para os estudantes. Nesse caso, os chips serão da Claro, com a Oi de ‘stand by’ para eventuais casos em que não haja cobertura. Nesses, os planos variam de 5 GB a 40 GB. “Os números indicam, sobretudo nas escolas federais, que 90% dos alunos já possuem equipamento então vamos fornecer os chips”, explicou o ministro Ribeiro.


Carreira
Empresa voltada à transformação digital abre 130 vagas

Posições em aberto na Compasso UOL são para desenvolvimento em Cognitive Services e Bots, Digital Commerce, IOT, Data Inteligence, RPA (Robotic Process Automation) e Cloud Computing.

MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Processo de levar acesso à Internet para as Unidades Básicas de Saúde(UBS) não avança e apenas 23% delas disponibilizam agendamento de consultas pela Internet. Nas unidades privadas, o atendimento online está em 100% do segmento. Diferença é evidente na comparação do Norte e Nordeste com o Sul e Sudeste.

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.

MEC exige energia elétrica nas escolas para levar banda larga

Escolas precisam também estar  em área de cobertura terrestre ou via satélite, e ter mais de 14 matrículas em 2020. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G