TELECOM

Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2020 ... Convergência Digital

A disputa comercial entre Estados Unidos e China, na qual o primeiro pressiona vários países por um bloqueio aos equipamentos de fabricantes chineses e ataca particularmente a Huawei, já polui a preparação do 5G no Brasil. Mas enquanto o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações indica que o governo brasileiro pode ceder à pressão dos EUA, a Anatel tenta separar dessa guerra a parte que é de sua competência. 

“O que temos é um edital de direito de exploração de faixas de radiofrequência , então é preciso separar essas coisas. A questão que trata de segurança cibernética extrapola a Anatel, até por ser um assunto transversal, que afeta vários segmentos”, avalia o presidente de agência, Leonardo de Morais. 

O adesismo sem grandes questionamentos do governo brasileiro às agendas do governo dos Estados Unidos preocupa o mercado brasileiro de telecomunicações, uma vez que a eventual adoção de medidas que limitem a maior fornecedora de equipamentos de rede do planeta terá, necessariamente, impacto direto nos custos de implantação do 5G. 

Um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), que defende adesão completa aos EUA, colocou mais lenha no tema ao declarar que “uma possível participação da Huawei na infraestrutura do 5G pode afetar cooperação militar entre Brasil e EUA”, e disparou que a fabricante “não é uma empresa privada, mas orientada pelo governo chinês”. 

No MCTIC, o secretário de telecomunicações, Vitor Menezes, já indicou que está em estudo usar o argumento de segurança cibernética para estipular quanto as empresas privadas de telecomunicações poderão adquirir em equipamentos chineses. Mas ainda que o alvo seja, expresso ou veladamente, a chinesa Huawei, o presidente da Anatel lembra que “qualquer decisão sobre segurança cibernética teria efeitos sobre todo o mercado”. 


Internet Móvel 3G 4G
Claro bate rivais em banda larga móvel, TIM tem a menor latência

Relatório da canadense Tutela Technologies com base em 21 bilhões de registros no país diz que mercado competitivo móvel amplia ofertas. TAmbém mostra que as bandas de 1.8 GH e 2,6GHz são largamente usadas pelas operadoras para os serviços.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Oi lança internet por fibra ótica com 400 Mega de velocidade

 Internet por fibra ótica é o coração da estratégia de negócios da Oi e já tem mais de 1 milhão de clientes no país

Anatel discute quais dados econômicos vão ser coletados das grandes operadoras

Consulta pública sobre os indicadores econômico-financeiros está aberta por 45 dias. 

Anatel afasta redutor de multas em sanções de obrigação de fazer

Provocada pela Telefônica, prevaleceu o entendimento indicado pela AGU de que o regulamento vigente da agência não permite o uso desse incentivo fora das sanções pecuniárias.

Anatel vai discutir uso dos espectros ociosos em consulta pública

Proposta de uso do White Spaces entre frequências outorgadas é cautelosa ao prever uso em áreas rurais e regiões remotas.  Ideia é permtir o uso secundário para telefonia e banda larga em áreas rurais e regiões remotas.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G