TELECOM

Pré-pago perde 1,13 milhão de linhas em 30 dias. 4G é o carro-chefe do pós-pago

Convergência Digital ... 05/08/2019 ... Convergência Digital

O Brasil registrou 228,39 milhões de linhas móveis em operação em junho, uma redução de 6,69 milhões de unidades (-2,84%) nos últimos 12 meses segundo números divulgados nesta segunda-feira, 05/08, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Na comparação com o mês de maio, a redução foi de 250,23 mil linhas (-0,11%).

O pré-pago segue sendo o grande afetado pela descontinuidade de linhas. A estratégia das operadoras de concentrarem suas ofertas nos modelos pós-pago traz resultados. Segundo a Anatel, as linhas pós-pagas cresceram seis pontos percentuais em participação de mercado nos últimos 12 meses, totalizando 104,52 milhões em junho de 2019 (45,76% do mercado). Aumento de 11,40 milhões de unidades no período (+12,25%).

Na variação entre maio e junho, as linhas pós-pagas aumentaram em 877,05 mil (+0,85%). Em 12 meses, as linhas pré-pagas registraram 123,87 milhões de unidades em junho, redução de 18,09 milhões (-12,74%). Na variação mensal, as linhas pré-pagas diminuíram 1,13 milhão de unidades (-0,90%). Também cresceram as linhas móveis em 4G, mais 23,66 milhões de unidades (+19,97%) nos últimos 12 meses, totalizando com 142,11 milhões em junho de 2019. Entre maio e junho, elas registraram mais 1,95 milhão de unidades (+1,39%).

As quatro maiores operadoras da telefonia móvel responderam por 97,49% do mercado em junho. A Vivo teve a maior participação no total com 73,74 milhões (32,29%), seguida da Claro com 56,43 milhões (24,71%), TIM com 54,97 milhões (24,07%) e Oi com 37,51 milhões (16,43%). Os dados da Anatel mostram que, últimos 12 meses, todas apresentaram redução no volume de linhas móveis, Vivo menos 1,52 milhões (-2,02%), Claro menos 2,58 milhões (-4,37%), TIM menos 1,58 milhões (-2,80%) e Oi menos 1,35 milhões (-3,47%).

No comparativo de maio para junho, com exceção da Vivo, que registrou aumento de 53,34 mil linhas móveis (+0,07%), as demais reduziram a participação de mercado: Claro menos 49,37 mil (-0,09%), Tim menos 336,64 mil (-0,61%) e Oi menos 50,31 mil (-0,13%).

Na telefonia móvel, entre as prestadoras de pequeno porte, a Nextel registrou 3,49 milhões de linhas (1,53% do mercado) e a Datora totalizou 450,12 mil (0,20%) em junho de 2019. Ambas apresentaram crescimento nos últimos 12 meses, mais 415,49 mil linhas (+13,51%) e mais 204,34 mil (+83,14%) respectivamente, e na variação entre maio e junho, mais 12,31 mil (+0,35%) e mais 11,38 mil (+2,59%).

*Com dados da Anatel


Internet Móvel 3G 4G
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

Centro de Distribuição de Sorocaba-SP foi 100% digitalizado e ganhou maior capacidade de transferência de dados e a menor latência da nova geração tecnológica. Fabricante diz que houve um ganho de eficiência de 30%. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G