TELECOM

Anatel volta a criticar 4G no PGMU e vai recalcular saldo de troca de metas

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/09/2019 ... Convergência Digital

Mais uma vez, a Anatel vai fazer contas para atualizar o quanto as concessionárias de telefonia ‘devem’ em compromissos que foram substituídos ou que deixaram de existir. Um saldo que, na última anotação da agência, em maio de 2018, estava em R$ 3,7 bilhões. 

O valor é importante porque permite à União estabelecer novos compromissos de cobertura. Mas a constante necessidade de atualização também demonstra a dificuldade de aplicar essa prerrogativa contratual sobre as redes de telecomunicações – a começar pela também constante divergência entre agência e teles sobre o montante. 

Em princípio, o ajuste é feito no Plano Geral de Metas Universalização, um decreto presidencial que deveria alinhar os compromissos do mercado com a política pública de telecom a cada cinco anos. Na prática, o novo recálculo se deve ao ajuste provocado pelo PGMU 4, que embora relativo ao período de 2016-2020, só foi publicado em dezembro de 2018. 

Nele, o governo, então de Michel Temer, decidiu estabelecer metas apenas para uma parte do saldo – a fatia relativa ao que as concessionárias deixam de gastar com a severa redução, superior a 90%, dos orelhões espalhados pelo país. Nas contas que o Ministério de Ciência e Tecnologia fazia no ano passado, algo em torno de R$ 700 mil. 

Ao rejeitar nova reclamação das teles sobre o valor, na reunião desta quinta-feira, 5/9, e determinar o cálculo de um novo saldo a ser usado no próximo PGMU, a Anatel resgatou as críticas ao que o governo definiu no Decreto 9.619, de 20 de dezembro de 2018. É que ao apontar onde as concessionárias de telefonia fixa devem aportar aquele saldo dos orelhões, o governo exigiu instalação de 4G em 1,4 mil localidades do país. 

Pela mistura de rede móvel, que é prestada em regime privado, com a obrigações de rede fixa, do regime público das concessões, o presidente da Anatel, Leonardo Morais, que já batizara a medida de ‘puxadinho regulatório’, aproveitou para voltar à carga. 

“Quando se distorce objeto da concessão via PGMU, isso gera consequências. Chamar de ‘puxadinho’ é uma crítica elegante. E que guarda consonância com o que avaliamos no PERT [Plano Estrutural de Redes de Telecom], da carência principal na rede de transporte, uma vez que os pequenos provedores têm se mostrado competentes para a rede de acesso”, apontou. 

“A política pública decidiu transformar um desperdício para garantir uma torneira bonita, que gera expectativa da população, mas sem o encanamento para levar a água até essa torneira. É preciso que nós, como agência, falemos ao Ministério que a politica pública tem que ir ao encontro das reais necessidades do país. E o que vigora hoje não vai a esse encontro”, completou Morais. 


Internet Móvel 3G 4G
Claro monta show com holograma para demonstrar uso do 5G

Concerto que celebrou 50 anos do Led Zeppelin no Allianz Parque, em São Paulo, usou realidade virtual na apresentação da Nova Orquestra com participação à distância do músico Lucas Lima. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Anatel simplifica e zera custo para homologar produtos de Telecom

"A isenção da taxa é imediata e vale para todos os produtos homologados pela Anatel – inclusive radioamadores, drones e produtos importados para uso do próprio usuário”, disse o presidente da Agência Reguladora, Leonardo Morais.

Anatel: Tirando Oi, Telefônica, Claro, TIM e Sky todas as demais são pequenas prestadoras

Critério mudou de 50 mil acessos para 5% de cada mercado relevante, telefonia fixa e móvel, internet e TV paga.  Definição permite a isenção de uma série de obrigações regulatórias.

Acordo entre Enel e teles tenta novo mutirão de ‘limpeza’ dos postes em SP

Meta de limpar 1,8 mil postes até dezembro foi acertada com Vivo, Claro, TIM, Oi e Telcomp e o Procon-SP. 

Teles fazem campanha por conta digital sem papel

Segundo Sinditelebrasil, 76 milhões de clientes ainda recebem faturas impressas todos os meses – em média, 152 milhões de folhas. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G