NEGÓCIOS

Blockchain vira um vale de desilusão nas corporações

Convergência Digital* ... 04/09/2019 ... Convergência Digital

Os resultados do levantamento 2019 CIO Agenda Survey, que entrevistou mais de 3.000 CIOs (Chief Information Officers) em todo o mundo, apresentam um dado revelador: apenas 11% dos executivos indicam que suas organizações já implementaram ou estão planejando ter projetos a curto prazo com a tecnologia Blockchain. Isso pode ser explicado já que a maioria dos projetos não consegue ir além da fase inicial de experimentação.

"O Blockchain está atualmente descendo em direção ao Vale da Desilusão", diz Adrian Leow, Diretor de Pesquisa do Gartner. “O mercado de plataformas e tecnologias Blockchain ainda é incipiente e não há consenso no setor sobre os principais componentes, como o conceito do produto, o conjunto de recursos e os principais requisitos de aplicativos. Não esperamos que haja uma única plataforma dominante nos próximos cinco anos”, adiciona.

Para realizar com sucesso um projeto Blockchain, é necessário entender as causas que podem levar a possíveis problemas. Por isso, o Gartner identificou os sete erros mais comuns nos projetos Blockchain:
 
1) Não compreender ou usar de forma indevida a tecnologia Blockchain: Para o Gartner, a maioria dos projetos de Blockchain é usada exclusivamente para registrar dados em plataformas Blockchain por meio da tecnologia de Ledger Descentralizado (DLT), ignorando os principais recursos, como consenso descentralizado, uso de tokens ou contratos inteligentes. “O DLT é um componente do Blockchain, não o Blockchain inteiro. O fato de as organizações usarem tão raramente o conjunto completo de recursos desse conceito leva à questão de saber se eles precisam mesmo de Blockchain”, diz o analista do Gartner. "É bom começar com o DLT, mas a prioridade dos CIOs deve ser esclarecer os casos de uso do Blockchain como um todo e passar para projetos que também utilizem outros componentes do conceito".

2) Acreditar que a tecnologia está pronta para uso em produção: O mercado de plataformas Blockchain é enorme e composto por ofertas fragmentadas que tentam se diferenciar de várias maneiras. Alguns se concentram em confidencialidade, alguns em tokens e outros em computação universal. A maioria é muito imatura para o trabalho de produção em larga escala que incorpora os sistemas de acompanhamento e requisitos, segurança e serviços de gerenciamento de rede. No entanto, isso vai mudar nos próximos anos. Os CIOs devem monitorar os recursos em evolução das plataformas Blockchain para alinhar a linha do tempo de seus projetos Blockchain.

3) Confundir um protocolo com uma solução de negócios: O Blockchain é uma tecnologia de nível básico que pode ser usada em vários setores e cenários, da cadeia de suprimentos até o gerenciamento de sistemas de informações médicas. Não é um aplicativo completo, pois também deve incluir recursos como interface do usuário, lógica de negócios, persistência de dados e mecanismos de interoperabilidade. “Quando se trata de Blockchain, há a suposição implícita de que a tecnologia de nível básico não está muito distante de uma solução completa. Esse não é o caso. O conceito básico ajuda a visualizar o Blockchain como um protocolo para executar uma determinada tarefa dentro de um aplicativo completo. Ninguém presumiria que um protocolo pode ser a base única para todo um sistema de comércio eletrônico ou uma rede social”, explica o Diretor de Pesquisa do Gartner, Adrian Leow.

4) Visualizar o Blockchain puramente como um banco de dados ou mecanismo de armazenamento: A tecnologia Blockchain foi projetada para fornecer um registro confiável, imutável e seguro de eventos decorrentes de uma coleção dinâmica, produzida por partes não confiáveis. Esse modelo de design vem com o preço dos recursos de gerenciamento de banco de dados. Em sua forma atual, a tecnologia Blockchain não implementa o modelo completo “criar, ler, atualizar, excluir” encontrado na tecnologia convencional de gerenciamento de banco de dados. Em vez disso, apenas "criar" e "ler" são suportados. “Os CIOs devem avaliar o requisito de gerenciamento de dados de seu projeto Blockchain. Uma solução convencional de gerenciamento de dados pode ser a melhor opção em alguns casos”, diz o analista do Gartner.

5) Supor que existam padrões de interoperabilidade: Embora alguns fornecedores de plataformas de tecnologia Blockchain indiquem conexão com outros ‘Blockchains’, é difícil prever a interoperabilidade quando a maioria das plataformas e seus protocolos subjacentes ainda estão sendo projetados ou desenvolvidos. As organizações devem acompanhar as discussões dos fornecedores em relação à interoperabilidade como uma estratégia de marketing. Supostamente, essa opção beneficia a posição competitiva do fornecedor, mas não necessariamente fornecerá benefícios para as empresas. "Nunca selecione uma plataforma Blockchain com a expectativa de interoperar com a tecnologia do próximo ano de um outro fornecedor ", alerta o analista.

6) Supor que a tecnologia de contrato inteligente é um problema resolvido: Contratos inteligentes são, talvez, o aspecto mais poderoso das tecnologias de ativação de Blockchain. Eles adicionam comportamento dinâmico às transações. Conceitualmente, os contratos inteligentes podem ser entendidos como procedimentos armazenados associados a registros de transações específicos. Mas, diferentemente de um procedimento armazenado em um sistema centralizado, os contratos inteligentes são executados por todos os pontos de uma rede complexa, gerando desafios de escalabilidade e gerenciamento que ainda não foram totalmente explorados. A tecnologia de contrato inteligente ainda sofrerá mudanças significativas. Por isso, os CIOs não devem planejar a adoção por completo, mas já devem realizar pequenos experimentos. O Gartner prevê que esta área de Blockchain continuará amadurecendo nos próximos dois ou três anos.

7) Ignorar questões de governança: Embora os problemas de governança em ambientes privados de Blockchain ou com permissão sejam geralmente manipulados pelo proprietário do Blockchain, a situação é diferente com Blockchain Público. A governança em ambientes públicos de Blockchain, como Ethereum e Bitcoin, é principalmente voltada para questões técnicas. Comportamentos humanos ou motivação raramente são abordados. “Os CIOs devem estar cientes dos riscos que as questões de governança de blockchain podem representar para o sucesso de seus projetos. Especialmente organizações maiores devem pensar em aderir ou formar consórcios para ajudar a definir modelos de governança para o blockchain público”, afirma o analista do Gartner.


Cloud Computing
BNDES abre linha especial para IoT, Big Data e digitalização

Chamada BNDES Crédito Serviços 4.0, linha tem limite por operação é de até R$ 5 milhões O prazo de pagamento é de até 120 meses, com carência de três a 24 meses. 

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Transformação digital é mudar a mentalidade de produto para solução ao cliente

"Não precisamos da furadeira, mas, sim, do buraco na parede", exemplificou Thales Teixeira, fundador da decouping.co, ao revelar o impacto da jornada digital. Para Teixeira, a inovação está no modelo de negócios. "A tecnologia é só um motor", pontuou.

Serpro busca parceria com bancos para emissão de certificado digital

Chamamento público espera identificar oportunidades de negócios que fomentem a massificação das assinaturas digitais. 

Huawei diz ter estoque suficiente para atender demanda nacional

Diretor senior de Relações Públicas e Governamentais da empresa, Atílio Rulli, assegurou que o estoque da fabricante está 'em linha com que é visto no mundo'. Hoje a Huawei produz localmente 40% dos equipamentos que vende às operadoras, ISPs e empresas brasileiras.

Acesso Digital recebe aporte e entra na briga pelo mercado de Telecom

Empresa, criada em 2007, trabalha com reconhecimento facial e assinatura eletrônica, recebeu um investimento de R$ 580 milhões liderado por SoftBank e General Atlantic.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G