Home - Convergência Digital

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Convergência Digital - Carreira
Da Agência Telebrasil - 23/05/2019

O mercado de telecomunicações teve pelo menos uma boa notícia nos últimos dias, com o avanço na Câmara dos Deputados do projeto de lei 7.656/17, que isenta da cobrança de Fistel (Fundo de Fiscalização das Telecomunicações), CFRP (Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública) e Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinemetográfica Nacional) os dispositivos para comunicação máquina a máquina. Mas para o relator da proposta nas duas comissões pelas quais passou esse PL, Eduardo Cury (PSDB-SP), o setor deve ficar atento a outras discussões tributárias e municiar o parlamento de dados na briga para destravar investimentos.

“Essas taxas cobradas ainda hoje, Fistel, Condecine, eram de quando se mediam as unidades. Mas vamos ter milhões ou bilhões de dispositivos. Então não faz mais sentido essa taxação. A dificuldade é traduzir isso para os parlamentares e demonstrar que não há perda de arrecadação, que não vamos abrir mão de receitas. Ao contrário, nunca teremos o desenvolvimento do IoT sem tirar isso”, afirmou o deputado ao participar do debate sobre tributação adequada para o ecossistema de Internet das Coisas no Painel Telebrasil 2019.

“A questão é imaginar o mundo lá na frente, que ainda não existe hoje, para visualizar o efeito tributário. Mas isso mostra a dificuldade de as pessoas entenderem o mundo novo que está por vir e nos obriga a olhar tudo de forma diferente. E nisso o setor tem uma missão também, que é municiar os representantes com dados e argumentos para acelerarmos o processo, inclusive nas discussões da reforma tributária, que a Câmara decidiu votar”, completou.

Como insistiu a Anatel no mesmo debate, a retirada das taxas que incidem sobre os dispositivos da Internet das Coisas é uma proposição calcada em números que demonstram que na prática existe até vantagem tributária nessa medida. “A Anatel tem tomado várias iniciativas baseadas em evidências. No caso da Internet das Coisas, temos estudos que indicam que tributar menos significa arrecadar mais”, afirmou o especialista em regulação e assessor da Anatel, Luciano Charlita.

O tributarista André Mendes Moreira, sócio do escritório Sacha Calmon, ressaltou que “está clara a relevância da questão tributária para o desenvolvimento da Internet das Coisas no nosso país”. Mas ele lembrou que não faltam desafios para o setor. “O grande problema das telecomunicações hoje é o ICMS, que chega a superar 40% e acaba tornando esse imposto altamente regressivo, punindo os que tem menos, mas também o desenvolvimento do setor.”

Ele apontou a importância de o Legislativo ter capacidade de olhar para o futuro. “Hoje na Europa o que se busca é uma forma de tributar quem não está pagando a conta, empresas como Facebook, Apple, Google, Amazon. A Inglaterra criou o digital service tax, imposto com alíquota de 2%, que começa a ser cobrado em abril de 2020, para tributar receita dessas empresas. No Vale do Silício, nos EUA, discute-se a tributação pelo tráfego de dados”, afirmou.

Augusto Sales, da consultoria Belveder, lembrou que a Internet das Coisas é uma promessa muito grande para o mundo. “Em termos numéricos, estima-se que até 2025 a IoT injete 4 trilhões de dólares na economia mundial. No Brasil, o BNDES coloca como potencial uma faixa de R$ 50 bilhões a R$ 200 bilhões. Mas para chegar na projeção mais otimista, tem todo um caminho a ser percorrido, que passa pela liberação das amarras tributárias.”

São recursos, insistiu, cujo uso tem diferentes reflexos, em especial na resposta a uma das principais demandas que acompanha o avanço tecnológico: a qualificação profissional. “Há muitas oportunidades, mas temos gargalos. E  um que preocupa muito é o capital humano, seja em mão de obra capacitada para trabalhar com a Internet das Coisas, seja também na questão do usuário. Não adianta ter tecnologias incríveis se o usuário não sabe mexer.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/08/2019
Agro 4.0 passa por recursos vindos da aprovação do PLC 79/16

14/08/2019
5G e Internet das Coisas são prioridades para os países do BRICS

08/08/2019
Varejo aposta em eletrônicos com inteligência artificial

05/08/2019
Brasil chega a 22,21 milhões de dispositivos IoT

02/08/2019
MCTIC vai aportar R$ 8 milhões em projetos para internet das coisas

01/08/2019
Anatel abre debate sobre regras para reduzir barreiras à internet das coisas

31/07/2019
Escassez de talentos e complexidade travam projetos de Internet das Coisas

29/07/2019
Ataques por malware em IoT cresceram 55% no 1º semestre

18/07/2019
Serpro quer ser integrador do Governo em Internet das Coisas

18/07/2019
Reciclagem: MCTIC lista plano de IoT e conexões do Gesac em metas de 200 dias

Destaques
Destaques

Escassez de talentos e complexidade travam projetos de Internet das Coisas

Estudo global mostra ainda que quase 30% das provas de conceito falham por conta de implementação cara e da falta de profissionais capacitados. A segurança segue sendo desafiadora.

TIM supera rivais em disponibilidade e latência 4G. Claro lidera em velocidade de download

Relatório da OpenSignal mostra que a disponibilidade do sinal 4G melhorou no Brasil com o uso da faixa de 700 Mhz.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site