TELECOM

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Luís Osvaldo Grossmann* ... 08/11/2019 ... Convergência Digital

A Anatel vai abrir consulta pública, por 20 dias, sobre a licitação de 15 posições satelitais para atendimento do território nacional. Os lotes serão divididos em dois tipos, cinco com posições orbitais e faixas de frequências estabelecidas pela agência e nos restantes essas serão indicadas pelos respectivos vencedores.

Os termos foram modificados diante de uma decisão concomitante do Conselho Diretor da Anatel, que ampliou o prazo do direito de uso de posições orbitais para Claro e Hispamar. Ao atender as empresas, a agência teve que modificar o início do prazo para os lotes os A-1, A-2, A-3 e A-4 desse leilão, pois se tratam das posições dessas empresas na Banda C. Assim, quem ficar com essas nesse leilão só começa o prazo em 2026. 

Os cinco primeiros lotes estarão assim determinados na futura consulta pública de acordo com posição orbital e faixas de frequências: 84° Oeste, 3.625 MHz a 4.200 MHz (enlace de descida) e 5.850 MHz a 6.425 MHz (enlace de subida), 70° Oeste, 3.625 MHz a 4.200 MHz (enlace de descida) e 5.850 MHz a 6.425 MHz (enlace de subida), 65° Oeste, 3.625 MHz a 4.200 MHz (enlace de descida) e 5.850 MHz a 6.425 MHz (enlace de subida), 61° Oeste, 3.625 MHz a 4.200 MHz (enlace de descida) e 5.850 MHz a 6.425 MHz (enlace de subida) e 45° Oeste, 12,2 GHz a 12,7 GHz (enlace de descida) e 17,3 GHz a 17,8 GHz (enlace de subida).

Como reforça o comunicado da agência, para os lotes das posições 84°, 70°, 65º e 61° Oeste, aqueles esticados em atendimento a Claro e Hispamar, o prazo pelo Direito de Exploração deverá ter início em 1º de janeiro de 2026. Nos restantes, o prazo deve se iniciar quando da data de publicação do Direito de Exploração no Diário Oficial. Às empresas que já detêm Direito de Exploração de Satélite Brasileiro devem ser conferidos novos Direitos de Exploração. 

* Com informações da Anatel


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Aloo Telecom: Brasil precisa de um cadastro único de redes de fibra ótica

O crescimento das redes de fibra ótica é desorganizado e faltam informações disponíveis para definir onde investir e maximizar os recursos, afirma o CEO da operadora, Felipe Cansanção. Aloo Telecom analisa a participação no leilão 5G. "Nunca se vendeu tanta capacidade de espectro", adiciona o CEO.

Ufinet, da Enel, entra no mercado de rede neutra no Brasil

Chairman da empresa, Stefano Lorenzi,  assegura que Ufinet não terá vantagem no uso dos postes por ter a distribuidora elétrica como uma das acionistas. "Vamos competir igual com os outros", diz.

Falta um orquestrador para resolver o conflito do uso dos postes

"Não é falta de lei. Não é falta de resolução. É falta de agenda prioritária. Falta uma orquestração efetiva para se tentar resolver o problema", diz o diretor de estratégia e regulatório da Algar Telecom, Renato Paschoareli.

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G