Home - Convergência Digital

4G:Claro supera rivais em experiência de navegação. TIM tem menor latência

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 17/05/2019

O Relatório de Desempenho de Rede para o Brasil 2019 da Tutela, empresa canadense que reúnde dados anônimos sobre o desempenho e o uso da rede de mais de 250 milhões de dispositivos móveis em todo o mundo, aponta que, a Claro fica à frente das demais operadoras quando a pesquisa aborda a "Qualidade de Consistência Excelente" - quesito que avalia as redes e o modo como são usadas não levando em conta apenas velocidade de download - já que 62,3% dos testes atendem a esse critério, com uma vantagem de quase 10% sobre a operadora localizada na seguinte posição, a TIM, com 52,6%. A Vivo ficou em terceiro lugar com 51,7%. A Oi ficou em quarto lugar, com 44,5%.

Em termos práticos, sugere o estudo, a diferença entre o primeiro e o último colocado significa que em lugares onde um usuário da Claro tem sinal, o 62% do tempo terá condições suficientes como para conseguir uma boa experiência no uso dos aplicativos mais populares (como streaming de vídeo HD ou videochamada em grupo), mas, para um usuário Oi, o mesmo é verdade apenas um 45% das vezes em que eles têm sinal. Quando se trata da "Qualidade de Consistência Básica", a diferença entre as operadoras é muito menor.

Os testes das quatro atenderam aos critérios em 96% das amostras, o que mostra que as redes brasileiras são geralmente mais adequadas para usuários menos exigentes, como aqueles que apenas navegam na web ou visitam o Facebook/Instagram.A Claro também fica em primeiro lugar nas medições combinadas de velocidade de download de 3G e 4G, enquanto a Vivo está em segundo lugar, com apenas 2 Mbps de diferença.

Embora a TIM tenha uma das redes 3G mais rápidas, sua velocidade de 4G é a mais baixa das quatro operadoras, o que resulta em um terceiro lugar na velocidade combinada de download. A Oi ocupa o terceiro lugar em desempenho de download 4G, superando a TIM por menos de 200 Kbps; no entanto, seu desempenho de download 3G é visivelmente mais lento que o das outras redes e, como ele depende ainda mais dessa tecnologia, ao contrário dos seus concorrentes, seu desempenho de download combinado ficou último.

Na velocidade de upload, os resultados de todos os operadores foram semelhantes, com diferença menor que 2 Mbps entre o primeiro e o último lugar. A Claro ficou em primeiro lugar na velocidade de upload combinada de 3G e 4G, além da velocidade de 4G separadamente. A Vivo ficou em segundo lugar na velocidade de upload de 4G, mas caiu para o terceiro lugar na velocidade de upload combinada (3G + 4G), em grande parte devido ao aumento do uso de 4G e sua maior velocidade de upload 3G.

"Com 143 milhões de usuários, o Brasil é um dos maiores mercados de telefonia móvel do mundo. Assegurar um nível consistente de serviço para os assinantes, gerir a atual explosão no volume de dados móveis e garantir a continuidade dos serviços não é uma tarefa fácil para os operadores no Brasil, que reconhecem indiscutivelmente a este papel", comenta Leandro Demarchi, Diretor Executivo da Tutela para a América Latina.

O relatório da Tutela mostra também que a TIM garante o primeiro lugar combinando 3G e 4G com uma média de 35,9 ms, ou seja, quatro milissegundos mais rápido do que o segundo colocado. Claro e Vivo ficaram em segundo e terceiro em latência combinada, com 40,4 ms e 42,5 ms, respectivamente, e a Oi ficou em quarto lugar, com uma margem maior, com 51,7 ms.

Ao observar a qualidade do 3G, os hiatos entre as operadoras foram menos pronunciados, com a Vivo em primeiro lugar, a TIM em segundo e a Claro em terceiro, embora apenas quatro milissegundos tenham separado o primeiro do terceiro lugar. Já no quesito de disponibilidade de 4G por regiões, a imagem é muito semelhante à média nacional. A TIM possui um grande número de regiões com cobertura majoritária de 4G, incluindo várias áreas fora dos centros urbanos. A cobertura 4G da Claro é forte no sul do país e ao longo da costa, mas cai no nordeste, enquanto Vivo e Oi têm cobertura 4G visualmente mais dispersa, com sua rede mais rápida concentrada nas áreas urbanas mais povoadas do País.

O Relatório de Desempenho de Rede para o Brasil 2019 da Tutela analisou dados coletados de mais de 16 milhões dispositivos, por meio de 100 milhões de testes de velocidade, 4,73 bilhões de testes de latência e mais de 11 bilhões de registros celulares no total, tirados entre o 1º de janeiro ao 31 de março de 2019. Para ter acesso ao relatório completo, acesse https://www.tutela.com/blog/brazil-state-of-mobile-networks-may-19?hs_preview=OogIYfpb-9629046776

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/09/2019
TIM dá mais franquia de dados para atrair clientes para o pré-pago

09/09/2019
Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

05/09/2019
Quatorze milhões de novos celulares 4G foram ativados desde janeiro

02/09/2019
Vivo investe em redes 4G privativas para o mercado B2B

30/08/2019
Cobertura 4G rural: Vivo, Claro e TIM avançam. Oi, sem 700MHz, fica para trás

23/08/2019
América Latina tem menos de 20% de espectro disponível para novos serviços móveis

16/08/2019
Levantamento elege a rede da Vivo a melhor do Brasil

14/08/2019
Melhor horário para navegar no 4G é às 4 da manhã na América Latina

08/08/2019
Bloqueio à Huawei impacta venda de smartphones. Mercado só recupera com 5G

07/08/2019
No primeiro semestre, 47 novos celulares 4G foram ativados por minuto

Destaques
Destaques

América Latina tem menos de 20% de espectro disponível para novos serviços móveis

Mesmo o Brasil, que tem 609 MHz de espectro destinado aos serviços, fica bem abaixo dos 1960Mhz recomendados pela União Internacional das Telecomunicações (UIT) para 2020.

5G vai chegar a quase 60% da população em 2025

Tecnologia vai crescer muito mais rápido do que qualquer outra geração sem fio, revela estudo de megatências feito pela Huawei. O estudo também prevê que o volume anual de dados globais chegue a 180 ZB (1 ZB = 1 trilhão de GB).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site