Home - Convergência Digital

Transformação digital: reter e atrair talentos redefine o Recursos Humanos

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/02/2019

Atrair e reter talentos é um dos grandes desafios das empresas e apesar de muitas organizações enxergarem isso como uma das prioridades, a maioria ainda não entende a importância de recrutar profissionais que têm aderência a cultura corporativa, observa a headhunter da Yoctoo, Marina Bandão. Segundo ela, uma vez que a empresa consegue montar um time coeso, que trabalha alinhado com os valores da organização, atingir as metas e os resultados fica muito mais fácil, é nesse lugar que surge a importância de recrutar e reter talentos que compartilham dos valores empresariais.

Um dos desafios das corporações é avaliar se os candidatos têm aderência a cultura organizacional. Marina Brandão ressalta que é preciso entender o que é, e como se forma essa cultura interna. Em linhas gerais, explica a especialista, a cultura organizacional é a essência da empresa, aquilo que é percebido no dia a dia do trabalho, expressada na maneira como a organização se relaciona com o mercado, como trata seus clientes, como desenvolve seus funcionários e como esses interagem entre si. Ou seja, é um conjunto de hábitos, valores e atitudes que estão implícitos e explícitos em todas as relações e pontos de contado do negócio.

Identificar e construir essa cultura passa por observar atentamente um conjunto de fatores e influenciar positivamente aquilo que estiver coerente com a identidade da organização, bem como descontruir hábitos que são nocivos e não têm afinidade com os valores empresariais. O departamento de Recursos Humanos é um norteador dessa cultura, ele exerce papel indispensável no fomento dessas atitudes, no engajamento das pessoas e na formação de um time que esteja alinhado a esse conjunto de regras e valores.

A headhunter sinaliza que, na hora de avaliar os candidatos, um dos principais fatores que temos que ter clareza é quais são os valores da empresa que estamos trabalhando, bem como ter mapeado o que define a sua cultura organizacional. Da mesma forma, para identificar se o profissional está alinhado o recrutador precisa entender o momento de carreira que essa pessoa está vivendo, e fazer perguntas abertas sobre as escolhas de carreira que essa pessoa fez. A medida que entendemos os motivadores de carreira, a maneira como a pessoa toma decisões, as circunstâncias e situações que o profissional vive ou já viveu em sua vida, fica mais fácil traçar um perfil e entender se esse candidato tem o mesmo posicionamento que a empresa.

Perfis psicológicos são bons norteadores, mas o feeling e a experiência do recrutador ainda são indispensáveis nesse processo. Quando ao assunto é recrutamento é muito difícil encontrar pessoas 100% alinhadas a cultura da empresa. Mas, quanto mais próximas essas estiverem dos valores, mais fácil incentivar internamente algumas características e “plantar sementes” por meio da comunicação e do feedback.

Para Marina Brandão, um processo de contratação precisa fazer sentido para ambos os lados, e por isso, o candidato também precisa avaliar se a empresa e a oportunidade estão de acordo com as suas expectativas de carreira. Isso vai além da descrição de tarefas da posição. O profissional deve avaliar o quanto o propósito da empresa conversa com seus valores pessoais e seus sonhos e objetivos de vida. É muito difícil nos entregarmos para um projeto o qual não acreditamos, portanto, o autoconhecimento é uma ferramenta indispensável nesse processo.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/05/2019
Intel: O Brasil precisa decidir o que quer ser na transformação digital

15/05/2019
Volkswagen vai formar profissionais voltados à indústria 4.0 no Brasil

11/04/2019
Procuram-se gerentes de transformação digital no Brasil

21/03/2019
Empresas brasileiras tiram nota vermelha na adequação à transformação digital

01/03/2019
Se a transformação digital falhar, a culpa é 100% da TI

18/02/2019
Mais de 30% das empresas brasileiras admitem não proteger dados de clientes e funcionários

18/02/2019
Quatro entre 10 empresas são 'preguiçosas digitais'

18/02/2019
Huawei e Inatel abrem inscrições para Fábrica de Talentos 2019

05/02/2019
Transformação digital: reter e atrair talentos redefine o Recursos Humanos

16/01/2019
Dell projeta a volta das compras de TI no setor público

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TI precisa de 420 mil novos profissionais até 2024

Formação de mão de obra, que já sofre para atender a demanda, vai ficar longe dos 70 mil novos empregos por ano. IoT, Big Data e segurança são áreas de maior demanda.

Salários em TICs são três vezes maiores que a média nacional

Em software e serviços, onde estão 75% das vagas das empresas de tecnologia da informação, remuneração média em 2018 foi de R$ 5 mil, contra R$ 1,8 mil do salário médio nacional.

TICs podem formar 1 milhão a cada quatro anos com recursos já existentes

Segundo o presidente da Contic, Edgar Serrano, atualização do marco legal de telecom e a criação do Sistema S das TICs são medidas de transformação digital sem impacto fiscal.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site