INOVAÇÃO

EMBRAPII CPqD faz pedido de patente para solução de IoT e cidades inteligentes

Convergência Digital* ... 18/08/2017 ... Convergência Digital

A modernização dos sistemas de iluminação pública, que vem acontecendo em todo o país, traz uma grande oportunidade para os municípios interessados em aderir ao conceito de cidades inteligentes. Afinal, a mesma infraestrutura de conectividade empregada para a telegestão da iluminação pública (IP) pode ser utilizada, também, por outras aplicações de Internet das Coisas (IoT) que tornam a cidade inteligente. Esse é o foco do projeto que a Unidade EMBRAPII CPqD desenvolveu em parceria com a Exati Tecnologia, empresa de Curitiba que oferece uma plataforma para gestão de IP atualmente utilizada em mais de 200 cidades brasileiras.

"Trata-se de um gateway que gerencia uma rede de comunicação sem fio, à qual podem ser conectados diversos dispositivos para smart cities", explica Dênis Weis Naressi, CEO da Exati. "Em conjunto com a aplicação de gerenciamento de IP da Exati, a nova solução constitui uma rede inteligente de iluminação pública e outros serviços", acrescenta.

Naressi destaca, entre as vantagens do produto, o tamanho compacto, a fácil instalação e o baixo custo de aquisição e manutenção. "Ao contrário das soluções atuais, que são instaladas em prédios, torres ou postes e necessitam de equipes especializadas para operação, esse novo produto pode ser instalado diretamente nas luminárias, por qualquer eletricista", afirma.

Juliano Bazzo, da Gerência de Tecnologias de Controle e Inteligência de Sistemas do CPqD, enfatiza que três aspectos diferenciam a solução desenvolvida: o módulo de comunicação sem fio, que pode alcançar uma área de mais de um quilômetro ou várias quadras de um bairro; a capacidade do módulo de telegestão funcionar como um ponto de acesso para sensores BLE (Bluetooth Low Energy) espalhados pela cidade - como semáforos inteligentes, sensores de estacionamento e pulseiras para localização, por exemplo - e o protocolo de roteamento, que permite a um único concentrador atender centenas de módulos. "Com isso, cada ponto de IP torna-se uma plataforma para prover diversos serviços que podem melhorar a vida do cidadão e trazer outras fontes de recursos para as empresas", explica.

Outro destaque importante da solução é a possibilidade de integração com a Plataforma Aberta para IoT, desenvolvida pelo CPqD dentro de um projeto de inovação aberta - que  envolve outras instituições e empresas -, que conta com suporte do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, via FINEP. "Essa integração permite acelerar o desenvolvimento de aplicações para cidades inteligentes", acrescenta Bazzo.

A própria Exati - que será responsável pela fabricação e comercialização do novo produto - já integrou sua solução à Plataforma IoT e deverá utilizá-la nos cenários de cidades inteligentes, aproveitando a capacidade do módulo de telegestão de viabilizar a comunicação com a diversidade de sensores utilizados e suas aplicações previstas para os próximos anos. O projeto desse módulo de telegestão inovador resultou em um pedido de patente, que foi depositado no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) em julho deste ano.



BC: Pagamento pelo WhatsApp terá de provar proteção aos dados

"Um arranjo que começa com 120 milhões de clientes não é pequeno", explicou Roberto Campos Neto.

Empresas nacionais reclamam da burocracia e deixam de investir em Inovação

Em pesquisa do Instituto Eldorado, empresas alegam que os instrumentos de fomento são burocráticos ou desconhecidos. Mais da metade das companhias ouvidas assumem que estão investindo menos em novas tecnologias.

Indústria de semicondutores reage à liquidação da Ceitec

Em nota, associação nacional do setor indica “preocupação” com a medida. “Liquidação distanciará ainda mais o Brasil do conhecimento de ponta.”

OBr.Global promove bootcamps Live sobre empreendedorismo

Aceleradora, especializada em internacionalização das empresas, ensinará técnicas adotadas no Vale do Silício, nos EUA.

Política de informática foi feita para o hardware, mas deu certo com o software

Para Sílvio Meira, a estratégia que o Brasil quer desenhar para Inteligência Artificial precisa desafiar à produção nacional para trazer os resultados pretendidos.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G