GSMA: Parceria em conteúdo é melhor para teles que produção própria

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/09/2018 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações costumam repetir que não querem ser somente um ‘tubo burro’, senha para defender investimentos na oferta de conteúdos como forma de competir com as apelidadas OTTs, como Netflix, Amazon, etc. Mas o novo estudo da GSMA toca nesse nervo para sustentar que essa não é exatamente uma estratégia brilhante. Melhor apostar em parcerias e licenciamentos do que tentar mergulhar no universo da produção própria.

“Conteúdo é caro”, ressalta o novo relatório sobre ‘Tendências Móveis Globais’, divulgado pela Associação. A Netflix gastou US$ 6,3 bilhões em programação original em 2017, não ficando muito atrás da Time Warner (US$ 8 bilhões), da Fox (US$ 8 bilhões) e da Disney (US$ 7,8 bilhões)”, lista o documento, chamando a atenção para o peso desses investimentos.

Como destaca, ainda tomando o exemplo da Netflix, o estudo lembra que a empresa continua sendo a grande influência para o consumo de conteúdo via streaming online, e que esse tipo de serviço segue mordendo nacos da televisão tradicional. Mas faz um alerta às teles móveis: os custos envolvidos são gigantescos.

“Para a maioria das operadoras, essa tendência significa que fazer parcerias ou licenciamento de conteúdo representa um panorama mais realista do que adquirir ou criar conteúdo em um mercado dispendioso”, sustenta expressamente o relatório da GSMA.

O documento lista quanto investiram no ano de 2017 as maiores empresas de mídia dos Estados Unidos – além das cifras já mencionadas, vale lembrar os US$ 10,2 bilhões aportados pela NBC Universal, os US$ 5,4 bilhões da Viacom, US$ 4,5 bilhões da Amazon ou US$ 2,5 bilhões da Hulu.

O que a GSMA não menciona é que enquanto as receitas globais das operadoras móveis bateram em US$ 1 trilhão no ano passado, as maiores empresas mundiais de produção de conteúdo juntas não alcançaram receitas maiores do que US$ 190 bilhões.


Internet Móvel 3G 4G
Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

"Não vou submeter um processo de política pública, como é o edital 5G, a uma fusão e aquisição", afirmou o presidente da Anatel, Leonardo de Morais.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G