INTERNET

Para Abranet, ação no STF contra Marco Civil da Internet remete à censura prévia

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/10/2018 ... Convergência Digital

A Abranet pediu ao Supremo Tribunal Federal para ingressar na ação movida pelo Facebook, na qual a rede social recorre de uma decisão da Justiça de São Paulo que determinou indenização por não ter removido um perfil a partir de um requerimento extrajudicial, antes da decisão judicial.

É a 13ª entidade a pleitear manifestação na causa, expressamente pelo impacto multiplicador da decisão sobre o assunto – o próprio STF já determinou que o processo terá repercussão geral, portanto, sendo entendimento para casos similares em todo o país.

“A decisão desta Corte Constitucional não produzirá efeitos somente entre os litigantes, mas influenciará, acima de tudo, todos os demais usuários da Internet brasileira que possam ter restringidos tanto seu direito à liberdade de expressão quanto o seu direito à informação, ambos garantidos pela Constituição Federal”, lembra a Abranet na petição.

Trata-se de um processo instaurado a partir da queixa de uma mulher em São Paulo que descobriu um perfil falso em seu nome no Facebook, usado para ofender terceiros. Além de buscar decisão da Justiça para remover o conteúdo, também exigiu indenização de R$ 10 mil.

A primeira decisão determinou a exclusão do perfil, mas negou o valor indenizatório, pelo entendimento de que o FB cumpriu a sentença judicial. Mas em recurso da autora, o TJSP entendeu que a indenização era cabível pois a rede social deveria ter removido o perfil falso a partir da notificação extrajudicial.

O caso foi levado ao Supremo para defender a constitucionalidade do artigo 19 do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14), que prevê que em se tratando de remoção de conteúdo, os provedores só serão responsabilizados se descumprirem decisão judicial – ao contrário do que decidiu o TJSP.

“Ao estabelecer esse regime, o legislador tinha como escopo impedir que os provedores de aplicações de Internet, para evitar futuras ações indenizatórias, optassem pela remoção de quaisquer conteúdos questionados. Essa postura dos provedores, motivada pelo risco econômico, incentivaria a censura privada, resultando em evidente desvalorização das liberdades de expressão e de informação na Internet”, pontua a Abranet ao STF.

“Deve-se ter em mente, também, que avaliar se um conteúdo está ou não em consonância com o ordenamento jurídico pátrio envolve, não raramente, o balanceamento de direitos fundamentais conflitantes, cuja solução cabe ao Poder Judiciário e não a provedores de aplicações de Internet. Basta imaginar o quão temerário seria deixar a cargo de provedores de aplicações de Internet decidir questões tão sensíveis que exigem a harmonização de direitos constitucionais, como a que ensejou o presente recurso extraordinário”, emenda a entidade.

A consequência, como aponta a Abranet, seria nociva. “Os provedores, para evitar o risco de indenizações futuras, passariam a remover senão todo, a imensa maioria de qualquer conteúdo questionado em sua plataforma. Da mesma forma, optar pela adoção de um regime de responsabilidade objetiva das mesmas empresas as empurraria para o desenvolvimento de filtros e outras formas de controle no seu ambiente virtual que não apenas se mostram ainda ineficazes, como também implicam em investimento incompatível com os recursos de grande parte das empresas que atuam no ecossistema de provedores de aplicações na Internet.”


Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Para o governo, regulamentação da LGPD exige criação imediata da autoridade de dados

Inserir a autoridade na Presidência foi a solução possível."Queremos a autoridade funcionando um ano antes da vigência da lei. Não dá para discutir eternamente”, diz Luiz Felipe Monteiro.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G