Convergência Digital - Home

Mais que frequência, 5G exige muita fibra e muita nuvem

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 01/03/2019

As operadoras brasileiras podem brigar por mais frequência para ter o 5G - o leilão da faixa está previsto para março de 2020 e a expectativa é que cada uma das quatro, se participarem, devem ficar com 50 Mhz a 80 Mhz, com as faixas de 3,5GHz (200 Mhz em leilão) e 100 Mhz na faixa de 3,3GHz - mas o que elas precisam fazer, e já, é investir muito em fibra óptica e em cloud computing, com vitualização, redes definidas por software e edge computing.

"O valor investido agora pelas operadoras é essencial. Infraestrutura é a base do 5G. Capacidade é o nome do jogo para vender as latência, que será de onde as operadoras vão tirar a rentabilidade. A expectativa é que o ARPU com o 5g cresça entre 10% a 20%. Espectro é relevante, mas sem fibra, sem nuvem, o preço do 5G fica proibitivo", afirmou o diretor-executivo de Business Network Consulting da Huawei América Latina,  Guillermo Solomon, em entrevista a jornalistas brasileiros durante o Mobile World Congress, realizado de 25 a 28 de fevereiro, em Barcelona, na Espanha.

Indagado se o espectro que será destinado para as teles brasileiras no 5G com o leilão previsto para marco de 2020, o executivo disse que sim, pelo menos, para uma oferta inicial do serviço que terá como prioridade a banda larga móvel fixa. "Espectro quanto mais melhor, mas é possível, sim, começar a ter o 5G com 50 Mhz ou pouco mais", reiterou. Em entrevista ao portal Convergência Digital, Guillermo Solomon, insistiu: 5G exige uma nova operadora de telecomunicações.

*Ana Paula Lobo viajou a Barcelona a convite da Huawei Brasil


LEIA TAMBÉM:
Destaques
Destaques

Nuvem pública é usada no Brasil para back-up de dados e fluxos locais

A terceira edição da pesquisa Global Data Protection Index, encomendada pela Dell Technologies, mostra ainda que mais de 70% das empresas de médio e grande porte registraram incidentes com dados no Brasil, com um prejuízo médio de R$ 1,5 milhão.

Edge computing vai avançar 226% nos próximos cinco anos

Levantamento global da Vertiv mostra que o edge comuputing ganha papel estratégico no ecossistema de data centers pelo incremento do processamento de dados perto do ponto de uso.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site