SEGURANÇA

Unisys: nenhum dispositivo, nenhum software, nenhum usuário é confiável

Ana Paula Lobo e Roberta Prescott ... 18/06/2019 ... Convergência Digital

Com a Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigência no segundo semestre de 2020, é dever das empresas criarem políticas com regras claras e muito bem definidas para proteger as suas informações contra dispositivos como celulares, tablets e PCs conectados às suas infraestruturas, afirma Eduardo Almeida, presidente da Unisys do Brasil e VP na América Latina.

Segundo ele, além dos objetos,  qualquer usuário não deve ser considerado confiável sem uma checagem prévia. "Um ransomware pode não apenas parar uma empresa, mas, principalmente, afetar a reputação da marca, e essa é muito mais complexa de recuperar", relata o executivo. Almeida também fala sobre a segurança das infraestruturas críticas como as de telecomunicações, energia e água. A entrevista à CDTV, do Convergência Digital, foi concedida durante a divulgação dos resultados da 14ª edição do Unisys Security Index, com dados de 11 países, entre eles o Brasil.

Preocupação com Segurança aumenta no Brasil

Se a preocupação dos brasileiros em relação à segurança reduziu entre 2017 e 2018, neste ano, ela subiu e o Brasil se afastou da média global. Os resultados da 14ª edição do Unisys Security Index mostraram que o País passou de uma pontuação de 185, no ano passado, para 190 neste — enquanto a média global passou de 173 para 175 pontos. A pontuação do País passou de 173, em 2013, para 187 em 2014, ficou estável em 188 em 2015 e 2016 e voltou a subir em 2017 chegando a 189.  

O estudo global da Unisys mede anualmente as percepções dos consumidores com segurança, em quatro categorias: segurança nacional, financeira, na internet e pessoal. A escala vai de zero (nada preocupado) a 300 (extremamente preocupado). O Brasil ocupa a 6ª colocação, atrás de Malásia (211), Chile (212), México (213), Colômbia (220) e Filipinas (234). Estados Unidos pontuou 165. 

Ao comentar os resultados referentes ao Brasil, em encontro com a imprensa, Eduardo Almeida, presidente da Unisys para a América Latina, destacou que nunca o País registrou um índice tão alto de preocupação e lembrou que o estudo foi feito antes dos vazamentos das conversas da Lava Jato. “Vemos a onipresença da tecnologia na vida das pessoas e, quanto mais dispositivos, mais ameaças”, disse. A pesquisa revelou que 85% dos brasileiros já foi vítima ou conhece alguém que tenha passado por pelo menos um tipo de fraude cibernética.

Fábio Abatepaulo, diretor de transformação digital da Unisys para América latina, acrescentou que, apesar de ser o uso das plataformas digitais ser natural para os brasileiros, existe uma preocupação com a segurança, com a maioria dos participantes relatando séria preocupação com ataques de hackers e vírus cibernéticos (69%) e com a segurança das compras online (65%). Há também preocupação com roubo de identidade e fraudes bancárias, com 76% e 75% dos entrevistados apontando estarem muito ou extremamente preocupados com esses temas, respectivamente. 

“A cada 16 segundos temos uma tentativa de fraude cibernética”, disse Marcus Luz, vice-presidente de vendas para América Latina da Unisys. De fato, a pesquisa apontou que o recebimento de e-mails não solicitados (spam) ou com golpes (phishing) foram os mais citados (54% e 42%, respectivamente) pelos brasileiros. Na sequência, fraude com cartão bancário (39%), mensagens falsas no WhatsApp (36%) e roubo de identidade (19%) aparecem com as maiores incidências.

LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), promulgada em 2018, é vista com receio: 59% dos brasileiros afirmaram estarem apenas um pouco confiantes de que a LGPD vai garantir a segurança de seus dados mantidos por empresas e governos e 69% deles acreditam que ter um registro de identificação unificado (Documento Nacional de Identidade — DNI) melhoraria a segurança dos dados pessoais. “O Brasil tem uma lei sofisticada, que criminaliza e penaliza empresas que não possuem estratégia de proteção de dados. Percebemos que há uma desconfiança acerca da eficácia da lei, com pessoas não acreditando que ela vá pegar”, disse Eduardo Almeida.  

No geral, o estudo deste ano apontou que a sensação de insegurança está aumentando no Brasil dentro das quatro áreas de análise da pesquisa. Os níveis de preocupação com ameaças online são os mais altos e acompanham o grande número de vítimas de ataques cibernéticos nos últimos anos. Para Almeida, isto evidencia que a proteção de dados ainda não é uma questão estabelecida no Brasil e que precisa ser repensada por governos, empresas e consumidores.  

Sempre em evidência a segurança na computação em nuvem dividiu opinião dos respondentes ao estudo. Fábio Abatepaulo mostrou que 29% dos entrevistados confiam e 28% não confiam na segurança na nuvem. “Do lado dos usuários finais, vemos que eles já abraçaram, que usam aplicativos na nuvem e muitas vezes nem sabem que eles estão na nuvem.

Do lado das companhias, elas ainda estão movendo sistemas e a preocupação que têm é com relação à capacidade delas para fazer a gestão”, explicou, acrescentando que nesta questão o zero trust é imprescindível. “É não confiar que o tráfego é seguro e ter certeza de que comunicação entre as nuvens ocorra em túnel seguro”, completou.  O Unisys Security Index™ 2019 entrevistou mais de 13 mil consumidores em 13 países, incluindo mais de mil respondentes no Brasil, entre fevereiro e abril de 2019.  


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Sistemas sem suporte rodam em mais de 40% dos PCs

Pesquisa da empresa de segurança Kaspersky diz que mais popular é Windows 7, que ficará sem suporte em três meses. Grandes, pequenas e microempresas continuam usando versões como XP ou Vista. 

Crimes cibernéticos: Brasil é passível de represália por não assinar Convenção de Budapeste

O consultor em Segurança Cibernética e professor da pós-graduação da Universidade UniCarioca, Guilherme Neves, adverte que o País está atrasado e erra ao não aderir à um tratado global de defesa cibernética.

TSE convoca profissionais de TI para testar segurança das urnas eletrônicas

Evento ocorrerá no período de 25 a 29 de novembro, na sede do TSE, em Brasília. Inscrições vão, agora, até o dia 22 de setembro.

Brasil perdeu mais de R$ 80 bilhões com ataques cibernéticos em 12 meses

O País, hoje, é o segundo do mundo onde ocorrem mais perdas econômicas por conta das ações dos hackers, revelou o coronetl Arthur Sabbat, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G