INOVAÇÃO

Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

Por Roberta Prescott e Carlos Afonso ... 28/06/2019 ... Convergência Digital

O Blockchain será uma revolução para o mercado financeiro, frisou Thiago Nascimento, diretor de DCX da Capgemini, durante o Ciab Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo. De acordo com o especialista, blockchain funciona como o habilitador, aportando simplicidade e eficiência para o mercado financeiro e permitindo a criação de diversos modelos de negócios.

"Distributed ledger [a tecnologia distribuída de livro-razão (DLT, do inglês distributed ledger technology)] vai proporcionar um grande avanço e crescimento para o setor, mas é preciso entender que toda tecnologia nasce, evolui, depois retrai um pouco e, quando vem o próximo crescimento, ele é disruptivo e sem volta. Quem estiver bem-preparado terá vantagem competitiva", disse.

Atualmente, pontuou em entrevista à CDTV, do Convergência Digital, há instituições financeiras fazendo provas de conceito com a tecnologia e que, inclusive,já estão tirando proveito disto. "Na nossa visão de futuro, vai haver um acordo entre eles e os consórcios vão interoperabilizar entre si. Muito proximamente vamos ver blockchain no dia a dia sendo um meio para implementar casos de uso", disse.

A prática global de DLT na Capgemini está baseada em cinco pilares: pesquisa e análise de blockchain; provas de valor; parcerias com start-ups; iniciativas de open source; e time de experts em DLT para acelerar o desenvolvimento. "No final do dia, é uma grande integração de parceiros que hoje ocorre com vários brokers no meio do caminho", afirmou. "O grande desafio será a integração fim a fim do caso de uso e todos os seus pilares. DLT vai permitir novos modelos financeiros que vão surgir através do uso desta tecnologia, de casos de usos sendo habilitados pelo DLT", completou.


Maganine Luiza abre concurso para escolher startups

Rede varejista está com inscrições abertas para o seu primeiro pitch day de serviços digitais. "Queremos todos os tipos de startups", avisa a gerente do Magazine Luiza, Juliana Silva.

Só a inovação tira o Rio de Janeiro da estagnação econômica

A afirmação é do presidente do TI Rio, Benito Paret. Segundo ele, o Estado do Rio de Janeiro tem de buscar novos caminhos e eles passam pela inovação.

Petrópolis terá sensores IoT para prevenção de enchentes

Iniciativa é um projeto-piloto de cidades inteligentes, em parceria com o BNDES e com a ENEL, e começa a ser implantado no começo de 2020, revela o secretário de Desenvolvimento do município, Marcelo Fiorini. "Política pública não pode ser projeto político. Ela é de longo prazo", observa o executivo.

Startup cria software para detectar interações perigosas entre máquinas e homens

Até então incubada na UFF, no Rio de Janeiro, a Displace desenvolveu um software para proteger o homem na rotina da indústria 4.0. A ideia atraiu a atenção de grandes empresas, entre elas, a Ambev.

Finep tem crédito de R$ 200 milhões para projetos de indústria 4.0

Linha vai apoiar projetos em internet das coisas, big data, computação em nuvem, segurança digital, robótica avançada, manufatura digital e aditiva, inteligência artificial e digitalização.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G