Home - Convergência Digital

Brasileiro elege o smartphone como meio digital para fazer transação bancária

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 01/08/2019


Seis em cada dez brasileiros das classes A, B e C utilizam meios digitais de pagamentos, como aplicativos próprios - PayPal, PagSeguro e Google Pay -, canais de pagamento de contas, compras e transação pela Internet. A informação está no estudo sobre mudanças nos hábitos de consumo de serviços financeiros diante das novas tecnologias elaborado pela empresa IDC que entrevistou mais de mil pessoas, de classes média e alta, em três dos maiores países da América Latina: Brasil, Colômbia e México.

O resultado do levantamento apresentado em Nova Iorque (EUA) ainda apontou que, apenas no Brasil, 61% dos entrevistados responderam recorrer a meios digitais de pagamento ou “carteiras digitais”. No México, o resultado foi semelhante (62%) e, na Colômbia, pouco mais da metade das pessoas ouvidas afirmaram utilizar esses recursos (52%). A adesão às fintechs, empresas que oferem serviços bancários ou financeiros de instituições sem locais físicos, também tem endosso no Brasil, uma vez que 56% dos brasileiros manifestaram adotar esse tipo de meio de pagamento. Em outros países da região, no entanto, esse índice despenca: 34% no México e 30% na Colômbia.

“As pessoas estão se movendo do uso tradicional de dinheiro e cartão para pagamentos digitais. Uma coisa chave é confiança. Nós usávamos dinheiro porque era lastreado em ouro. Outra é o crescimento do ecossistema de fintech porque estão criando soluções que permitem transações mais rápidas, convenientes”, analisa Ricardo Villate, presidente do IDC para a América Latina.

No país, a maioria dos entrevistados afirmou realizar atividades bancárias principalmente por meio de um telefone celular conectado, seguida por saques em caixas em bancos (15,9%), transações utilizando um computador pessoal (14,4%), atendimento na agência (12,9%) e saques em caixas eletrônicos em outros locais (10%). Outro destaque entre os entrevistados brasileiros em relação aos de outros países foi a abertura de contas por meio de dispositivos móveis conectados a internet: 65% contra 52% no México e 48% na Colômbia.

Em contrapartida, cada vez menos pessoas se dirigem a uma agência bancária no Brasil para realizar operações. De acordo com a pesquisa, 58% dos consultados relataram frequentar essas unidades, enquando na Colômia e no México a adesão ainda é superior à metade dos entrevistados, 64% e 65%, respectivamente. O Brasil também lidera o uso de cartões de crédito. Do total, 57% relataram usar este meio com mais frequência do que o débito. O índice foi de 38% no México e 28% na Colômbia. Quase 74% dos brasileiros disseram ter cartões tanto de crédito quanto de débito.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

05/12/2019
Mercado cinza de smartphones explode e cresce 500% no Brasil

22/10/2019
Chinesa Xiaomi promete lançar 10 celulares 5G em 2020

25/09/2019
Celulares mais simples vendem como nunca no 2º trimestre

28/08/2019
Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

01/08/2019
Brasileiro elege o smartphone como meio digital para fazer transação bancária

24/07/2019
Metade dos brasileiros não bloqueia aparelho e linha em caso de roubo

17/06/2019
Compra de smartphone mais caro cresce 247% no 1º tri no Brasil

28/05/2019
Celulares Top vendem menos e modelos básicos turbinam fabricantes chinesas

07/05/2019
Guinada digital faz bancos mudarem a maneira de comprar TICs

07/05/2019
Com 5G, Internet das coisas entra no radar dos bancos no Brasil

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site