GOVERNO » Compras Governamentais

Governo revê contratos de TI, faz cortes acima de 30% e adota catálogo unificado

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/09/2019 ... Convergência Digital

Pressionado pelo TCU, o governo federal vai impor uma forte renegociação de contratos de tecnologia da informação, com foco especial nos grandes fornecedores, a começar pelo maior deles, a Microsoft. Segundo a secretaria de governo digital do Ministério da Economia, a ideia é padronizar os contratos nas duas centenas de órgãos da administração federal usando como referência catálogos unificados com preços pelo menos 30% mais baixos. 

“Pegamos todos os contratos de 2017 a 2019 e identificamos 100 deles, dos quais avaliamos 30 que foram diretamente com órgãos do SISP. Ou seja, fizemos uma análise dos preços que o governo paga. Como não faz sentido pagar preços diferentes dentro do governo, fizemos uma proposta de preços com base nos contratos já feitos”, explica o diretor de operações compartilhadas da SGD, Merched Oliveira. 

O primeiro trabalho foi identificar itens similares nos pregões e os preços vencedores. O estudo verificou que órgãos diferentes contrataram o mesmo serviço pagando valores 30% ou até 50% a mais. A ideia, portanto, é generalizar os menores preços. Para isso o governo vai adotar uma lista com a padronização dos principais serviços e valores que passam a constituir preços máximos para toda a administração federal. 

A tentativa inicial é de um acordo com os fornecedores para a definição desses preços máximos. No caso da Microsoft, não houve acerto até aqui e a SGD decidiu publicar, no site do governo digital e no Painel de Preços do Ministério da Economia, o que chama de Catálogo de Soluções de TIC com Condições Padronizadas da Microsoft. É a lista de preços máximos de compras (PMC-TIC) de serviços da empresa que devem ser adotados por todos os órgãos. 

“Vamos publicar o catálogo da Microsoft e já estamos em conversas com a Oracle com quem fechamos um catálogo inicial. Na IBM também começamos. Por isso, até novembro esperamos fechar os catálogos de Oracle e IBM. Em seguida virão da Red Hat e da VMWare até o final do ano”, revela Merched Oliveira. Essas são, na ordem, as maiores fornecedoras de TI ao governo federal, segundo análise feita pelo Tribunal de Contas da União com base nas compras entre 2012 e 2016. 

O TCU quer que os órgãos renegociem contratos de TI pelo menos desde o fim de 2013, quando fez a recomendação em Acórdão. O mote era repassar para os preços a desoneração da folha de pagamentos que beneficiou o setor. As empresas rebateram que tal medida afetaria o incentivo pretendido com a desoneração. E o assunto quicou até o fim do ano passado, quando o TCU reafirmou a decisão.

Além da construção dos catálogos, a ordem para os órgãos renegociarem contratos de TI está em alterações na Instrução Normativa 1, que dita como são as compras de TI no governo, publicadas nesta sexta, 20/9, no Diário Oficial da União. Uma delas diz que “os contratos cujos itens constem nos Catálogos de Soluções de TIC com Condições Padronizadas e tenham valores acima do PMC-TIC deverão ser renegociados para se adequarem aos novos limites.” Vale para prorrogações e renovações. 

A outra mudança é para os contratos novos. “Caso a solução escolhida, resultante do Estudo Técnico Preliminar, contenha item presente nos Catálogos de Soluções de TIC com Condições Padronizadas publicadas pelo órgão central do SISP, os documentos de planejamento da contratação deverão utilizar todos os elementos constantes no respectivo catálogo, tais como especificações técnicas, níveis de serviço, códigos de catalogação, PMC-TIC, entre outros.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.

Governo restringe o que ministros e secretários podem falar sobre estatais

Decreto altera o Código de Conduta da Alta Administração Federal para vedar divulgação de “informação que possa causar impacto” nas ações ou relações com consumidores, mercado e fornecedores. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G