Home - Convergência Digital

Com OpenRAN, Intel quer abocanhar mercado 5G de Ericsson, Huawei e Nokia

Ana Paula Lobo* - 07/10/2019

A Vodafone anunciou planos de trazer para a Europa a tecnologia OpenRAN, compatível com serviços 2G, 3G e 4G, e sendo preparada para o 5G, depois dos testes feitos na Turquia e na África do Sul. A tecnologia seria usada em áreas rurais do Reino Unido, reportou o CEO da companhia, Nick Read. A OpenRAN é fruto do trabalho do Telecom Infra Project (TIP), desenvolvido pelo Facebook para melhorar a eficiência da RAN, com uma abordagem centrada no software usando hardware commoditizado.

A proposta é aumentar a interoperabilidade entre equipamentos de vários fornecedores, uma abordagem considerada mais econômica em termos de fornecimento de conectividade rural do que as abordagens tradicionais. Aqui quem desponta como grande beneficiária é a norte-americana Intel, principal patrocinadora da iniciativa, por meio de fornecimento de tecnologia aos pequenos provedores que despontam com o trabalho do TIP. A proposta é reduzir a dependência dos fornecedores tradicionais - Ericsson, Huawei e Nokia. A Vodafone já teria alocado orçamento e selecionado 100 locais para fazer um teste no Reino Unido.

“O fornecimento global de equipamentos de rede de telecomunicações se concentrou em poucas empresas nos últimos anos. Mais opções de fornecedores protegerão a entrega de serviços a todos os clientes móveis; vão aumentar a flexibilidade e a inovação e, crucialmente, vão ajudar a enfrentar alguns dos desafios de custos que estão impedindo a entrega de serviços de Internet para comunidades rurais e locais remotos em todo o mundo", reforçou o CEO da Vodafone.

A Vodafone acrescentou que a medida melhorará a “resiliência da cadeia de suprimentos”, introduzindo “uma onda de novos fornecedores de tecnologia 2G, 3G, 4G e 5G, além dos líderes de mercado existentes”. Esses novos fornecedores incluem a Mavenir, sediada nos EUA, e a Parallel Wireless. Hoje os fornecedores de rede 4G e 5G da Vodafone são Ericsson e Huawei.

No Brasil, a TIM Brasil é uma parceira da iniciativa TIP e, inclusive, anunciou resultados de uma licitação para uso da tecnologia, no Mobile World Congress deste ano, em Barcelona. Já o CPqD se tornou, em 2018, um Community Lab - espaço físico onde tecnologias e soluções inovadoras, desenvolvidas dentro dos projetos, podem ser testadas e avaliadas.

*Com tradução do Mobile World Live

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/08/2020
EUA banem empresas que usam produtos da Huawei das compras governamentais

11/08/2020
Edital do 5G vai ao mercado com ou sem venda da Oi Móvel

11/08/2020
Anatel prepara dois editais do 5G à espera de filtros para antenas parabólicas

10/08/2020
EUA vão vender 100 MHz para impulsionar 5G

10/08/2020
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

06/08/2020
Huawei não pode ser usada para atrasar ainda mais o leilão 5G

06/08/2020
Se Anatel quiser, redes privadas não precisam esperar o leilão 5G

06/08/2020
Huawei usa robôs em centro de distribuição no Brasil com uso do 5G industrial

04/08/2020
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

29/07/2020
Investimentos em 5G vão dobrar em 2020 e serão maiores que 4G até 2022

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site