Teles querem renovações sucessivas de frequências já nas atuais autorizações

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Superada a etapa de aprovação do novo marco legal das telecomunicações, as operadoras já elegeram a próxima batalha: a aplicação imediata da possibilidade de renovações sucessivas das faixas de radiofrequências. E em que pese o discurso unificado nesse sentido, admitem que a questão precisa ser esclarecida pela Anatel. 

“Se a lei mexe no critério de prorrogação da concessão, não seria aceitável que isso não valesse para as demais condições, como satélite e radiofrequência. Não vejo sentido em fazer tamanha alteração legal para dizer que só vale daqui 30 anos e não agora”, defendeu o diretor de Políticas Públicas da TIM, Marcelo Mejias. 

Essa leitura foi reforçada também por Vivo, Claro e Oi durante debate sobre o tema no Futurecom, nesta quarta, 30/10. Apesar dessa interpretação levar, na prática, a mudanças em editais de licitações passados, representantes das áreas jurídicas e regulatórias das teles acreditam que a Lei 13.879/19 trouxe novas condições. 

“Têm precedentes em que isso foi feito em outros setores, como nos portos. E é sempre importante ver se existe uma vantagem grande de valor. Só existiria vantagem na prorrogação se fosse gratuito, mas não é. Há um pagamento previsto. O que está se garantindo é uma segurança jurídica, não uma vantagem econômica. Portanto, não vemos nenhum problema legal. Quando uma lei posterior altera as condições, isso é possível”, afirmou a vice-presidente de Assuntos Corporativos da Telefônica, Camilla Tápias. 

Ela argumentou que o primeiro parecer sobre o então PLC 79/16 na comissão de Ciência e Tecnologia do Senado reforça essa interpretação de validade imediata. “Ao ler o relatório do senador Flexa Ribeiro, aprovado na CCT, a gente vê explicitamente a intenção do legislador de que as frequências atuais devam ser renovadas pra que não se instaure o caos nelas.”

Em verdade, aquele parecer não chega a ser tão explícito assim. Ribeiro admite que “o modelo regulatório atual, que prevê a realização periódica de processo licitatório para todas as faixas do espectro em uso no Brasil, não é isento de riscos”. E continua dizendo que “diversas autorizações de RF, detidas por todas as operadoras, vencerão nos próximos três anos, obrigando a Agência a iniciar, imediatamente, nos termos da LGT, o referido processo licitatório. Sabe-se que a infraestrutura de rede que sustenta o serviço móvel não é replicável. Aliás, ela sequer está acabada, sendo necessário hoje dobrar a quantidade de antenas em curto prazo para que se garanta o atendimento dos parâmetros de qualidade regulamentados. Logo, a disputa pelo direito de uso da capacidade já instalada é inevitável, o que seria menos traumático se o PLC número 79, de 2016, fosse aprovado.”

Não por menos, o chefe de gabinete da presidência da Anatel, Ronaldo Moura, foi mais cauteloso durante o debate. “Embora a lei permita a prorrogação sucessiva, a gente está diante de uma discussão se este dispositivo é aplicável para outorgas que ainda não venceram, se aplicável indistintamente para aquelas já em segundo período, ou se só serão aplicáveis para as próximas outorgas. É efetivamente um ponto de debate”, concluiu. 


Internet Móvel 3G 4G
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

As corporações estão obrigadas a repensar a proteção de dados. Atualizações constantes, trocas de senhas, autenticação em dois fatores são exemplos de medidas básicas que precisam ser massificadas. 

Oi entra na disputa do mercado de marketplaces para consolidar marca de consumo

Plataforma OiPlace chega ao mercado com mais de 3 mil produtos. Tele também incluiu canal ao vivo no Oi Play, a partir da mudança da regra de conteúdo na Internet pela Anatel.

Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

Somente entre julho e setembro deste 2020 foram 243,7 mil equipamentos sem certificação, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches e conversores digitais com Wi-Fi.

5G: Teles insistem em filtro nas parabólicas e rejeitam migração da TV

Estudo contratado pelas operadoras diz que mitigação da inferências do 5G nas antenas custaria R$ 224 milhões, enquanto transferir a recepção para a Banda Ku, acima de 10 GHz, seria R$ 1,8 bilhão. 

Para vender Correios, Minicom transforma Anatel em Agência Nacional de Comunicações

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, à Presidência da República o projeto de lei (PL) que cria as condições para a privatização dos Correios. Texto vai para o Congresso. Expectativa é fazer a privatização em 2022.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G