GOVERNO » Legislação

Decreto de SP sobre ICMS no software é ilegal, mas empresas querem adiar julgamento no STF

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/02/2020 ... Convergência Digital

As empresas de tecnologia da informação conseguiram uma vitória importante, com a decisão final do Tribunal de Justiça de São Paulo que invalidou a cobrança de ICMS no software na maior praça do país. Mas se a bitributação está pacificada no estado, o tema tem julgamento marcado no Supremo Tribunal Federal. E o mercado avalia que pode ser melhor adiar essa decisão, diante da iminente reforma tributária que elimina ISS e ICMS. 

“No maior mercado, São Paulo, agora temos uma boa segurança jurídica. Houve decisão de mérito, o Decreto [63.099/17] foi considerado ilegal e não tem eficácia. Portanto o estado de São Paulo não pode cobrar nem autuar nenhuma empresa”, comemora o diretor jurídico da Associação Brasileira das Empresas de Software, Manoel Antonio dos Santos. 

São Paulo ainda tenta recorrer, mas a primeira tentativa de levar o assunto ao Superior Tribunal de Justiça foi negada. Enquanto isso, porém, o tema avançou no Supremo Tribunal Federal, que marcou para 18 de março próximo o julgamento de três de quatro ações que questionam a bitributação municipal e estadual. 

“Como existe ainda uma outra ação, que está com o ministro Luís Roberto Barroso, mas que ainda não tem relatório, e ao mesmo tempo a reforma tributária como está no Congresso pode unificar os tributos e portanto por um fim nessa controvérsia, vamos pleitear ao STF que elas não sejam julgadas agora”, explica o diretor jurídico da ABES. 

De um lado, sempre pesa o risco de o Supremo entender diferente e ser sensibilizado pela situação fiscal dos estados, avalizando a bitributação. Além do mais, como ficaria um dos processos fora da discussão, mesmo uma decisão favorável ao setor de informática poderia ser rediscutida mais adiante, quando a ADI nas mãos do ministro Barroso chegar ao Plenário. 

E em especial, a proposta de reforma tributária mais próxima de uma votação no Congresso Nacional prevê a unificação de nove impostos, entre eles o ICMS estadual e o ISS municipal, o que por si eliminaria de vez o problema da dupla incidência sobre o software naqueles estados que, como São Paulo, buscaram uma brecha legal para tributar a mesma coisa duas vezes. 

Mas se a reforma tributária como está ajuda de um lado, prejudica bastante de outro. Atualmente, o ISS no setor tem alíquotas que variam de 2% a 5%. Já o PIS/Cofins vai de 3,65% a 9,25%, a depender do regime cumulativo ou não cumulativo. Significa que na melhor das hipóteses a TI paga 5,65%, enquanto na pior, 14,25%. Só que a junção dos tributos em um único Imposto sobre Bens e Serviços prevê uma alíquota de 25%. “Para quem paga 14,25% já é muito ruim. Mas para quem paga 5,65% é um desastre”, ressalta Santos. 

Essa é uma encrenca que vai muito além do segmento de TI e alcança todo o setor de serviços. Escolas, transportes, construção civil, planos de saúde, seguros e vários outros segmentos, inclusive artigos da cesta básica, estão sob o mesmo risco de verem a carga tributária dobrar ou quintuplicar. E para temperar, o Ministério da Economia começou a ventilar a ideia de criar um “imposto digital”. 

“Quando o governo fala em imposto digital é sinal de incompetência ou de desconhecimento de causa, porque o setor já paga. Tenta fazer uma remessa para adquirir licença de uso. Tem 17,65% de Imposto de Renda, além de imposto de importação, IOF e ISS. Se falo de serviço, imagine que resolva customizar software lá fora, o IR sobe para 25%, além do IOF, PIS/Cofis e ISS. E se houver transferência tecnológica tem que pagar outros 10% de Cide. Portanto, falar que as operações digitais devem ser tributadas significa desconhecer a carga tributária que já existe sobre o setor”, diz o diretor jurídico da ABES. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Coronavírus: Senado faz primeira votação a distância da história

Os senadores votaram de suas casas onde cumprem quarentena por causa do Covid-19 e aprovaram a decretação do estado de calamidade pública como forma de combate ao Covid-19.

Telebras projeta receita bruta de R$ 383,64 milhões em 2020

Na lista de venda do governo Bolsonaro, a estatal diz que o montante é uma mera previsão, uma vez que não há garantia de desempenho futuro. Em 2018, a receita líquida da Telebras ficou em R$ 199 milhões – foram R$ 73 milhões em 2017.

Relatora da nova lei das teles assume presidência da CCT no Senado

Daniella Ribeiro (PP-PB), que manteve sem alterações o projeto que se tornou a Lei 13.879/19, foi indicada pelo partido depois que o atual presidente da comissão, Vanderlan Cardoso, migrou para o PSD. "Depois do PLC 79, o que vier está fácil", disse a nova presidente. 5G está na pauta dos debates.

PGR: Há razão legal para STF julgar privatização de Serpro, Dataprev e Telebras

A Procuradoria Geral da República, em parecer dado para a ação do PDT contra a privatização das estatais de TI, admite que a inclusão delas no Plano Nacional de desestatização abre procedente para julgamento na Suprema Corte.

MPF: Governo não precisa de consentimento para cruzamento de dados

Em ação do Instituto Nacional Anísio Teixeira (INEP) contrária a entrega de dados pessoais individualizados de estudantes ao TCU, Ministério Público alega que administração não precisa de autorização dos titulares mesmo no caso de dados sensíveis. 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G