Anatel: Quem escolhe fornecedor 5G são as teles vencedoras do leilão

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2020 ... Convergência Digital

A disputa comercial entre Estados Unidos e China, na qual o primeiro pressiona vários países por um bloqueio aos equipamentos de fabricantes chineses e ataca particularmente a Huawei, já polui a preparação do 5G no Brasil. Mas enquanto o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações indica que o governo brasileiro pode ceder à pressão dos EUA, a Anatel tenta separar dessa guerra a parte que é de sua competência. 

“O que temos é um edital de direito de exploração de faixas de radiofrequência , então é preciso separar essas coisas. A questão que trata de segurança cibernética extrapola a Anatel, até por ser um assunto transversal, que afeta vários segmentos”, avalia o presidente de agência, Leonardo de Morais. 

O adesismo sem grandes questionamentos do governo brasileiro às agendas do governo dos Estados Unidos preocupa o mercado brasileiro de telecomunicações, uma vez que a eventual adoção de medidas que limitem a maior fornecedora de equipamentos de rede do planeta terá, necessariamente, impacto direto nos custos de implantação do 5G. 

Um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), que defende adesão completa aos EUA, colocou mais lenha no tema ao declarar que “uma possível participação da Huawei na infraestrutura do 5G pode afetar cooperação militar entre Brasil e EUA”, e disparou que a fabricante “não é uma empresa privada, mas orientada pelo governo chinês”. 

No MCTIC, o secretário de telecomunicações, Vitor Menezes, já indicou que está em estudo usar o argumento de segurança cibernética para estipular quanto as empresas privadas de telecomunicações poderão adquirir em equipamentos chineses. Mas ainda que o alvo seja, expresso ou veladamente, a chinesa Huawei, o presidente da Anatel lembra que “qualquer decisão sobre segurança cibernética teria efeitos sobre todo o mercado”. 


Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G