TELECOM

TIM acaba com acesso grátis às chamadas de voz e vídeo do WhatsApp e Messenger

Ana Paula Lobo ... 08/07/2020 ... Convergência Digital

A TIM decidiu criar limitação no acesso grátis ao WhatsApp e ao Messenger na sua carteira de clientes. Em comunicado aos seus clientes e assinantes, a operadora informa que a partir de 31 de julho, as chamadas de voz e vídeo realizadas por meio de WhatsApp e Messenger passarão a ter o tráfego de dados descontado dos pacotes de Internet de cada plano.

A operadora afirma que o envio de mensagens de texto, fotos, vídeos e áudios nesses aplicativos segue ilimitado nos OTTs. Reitera ainda que os planos oferecem ainda ligações ilimitadas locais e DDD (com uso do código 41) para números de qualquer operadora do Brasil.

O zero rating para os OTTs foi adotado na TIM em 2015, quando Rodrigo Abreu, agora CEO da Oi, presidia a operadora. Houve muita contestação e tentou tirar a opção no Marco Civil da Internet, mas o CADE decidiu que o zero rating não feria a competição. Em 2016, o acordo foi cancelado, mas voltou em 2017 e seguiu até julho deste ano, quando voltam as restrições para algumas funcionalidades como as chamadas de voz e vídeo no WhatsApp e no Messenger.

Abaixo o comunicado oficial da TIM:

A empresa informa que começou a comunicar seus clientes de diferentes segmentos, seguindo o prazo regulamentar, sobre mudanças no uso dos aplicativos de mensagem inclusos promocionalmente nas ofertas, conforme descrito no regulamento das mesmas. A partir de 31 de julho, as chamada de voz e vídeo realizadas por meio do WhatsApp e Messenger passarão a ter seu tráfego de dados descontado dos pacotes de internet de cada plano. O envio de mensagens de texto, fotos, vídeos e áudios nesses aplicativos segue ilimitado e os planos oferecem ainda ligações ilimitadas locais e DDD (com uso do código 41) para números de qualquer operadora do Brasil.*


Internet Móvel 3G 4G
Reino Unido contraria teles e confirma leilão 5G para janeiro de 2021

Ofcom, a Anatel do Reino Unido, não quis receber cerca de R$ 8 bilhões das teles, e manteve a oferta de 80 MHz em 700 MHz e 120 MHz entre 3,6 GHz e 3,8 GHz. Teles tentaram ficar com as frequências como 'compensação' à retirada dos equipamentos Huawei das suas redes.

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G