NEGÓCIOS

Brasil concentra 41% do investimento estrangeiro na América Latina

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/05/2013 ... Convergência Digital

A região da América Latina e Caribe recebeu em 2012 investimentos diretos estrangeiros em valor recorde de US$ 173,3 bilhões – 6,7% superior a 2011, apesar do contexto de redução dos fluxos mundiais, conforme informou nesta terça-feira, 14/5, a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal) das Nações Unidas. 

Os valores se explicam pelo crescimento econômico sustentável da região, os altos preços das matérias primas e a elevada rentabilidade dos investimentos associados a exploração de recursos naturais, destaca o relatório da Cepal sobre investimentos diretos estrangeiros apresentado pela entidade. Em 2013, a Cepal projeta que os IEDs se situarão entre uma queda de 3% e um aumento de 7%. 

“Os resultados obtidos demonstram o bom momento que a economia da América Latina atravessa. No entanto, não vemos indícios muito claros de aportes relevantes estrangeiros diretos em novos setores ou a criação de atividades de alto conteúdo tecnológico, considerando que um dos maiores desafios da região é modificar sua estrutura produtiva”, avaliou a secretaria executiva da Cepal, Alicia Bárcena. 

O relatório destaca, também, o papel de economias latinas como investidoras em outras regiões do planeta. Ou seja, as empresas transnacionais locais continuam em processo de expansão internacional e no ano passado absorveram ou compraram blocos de controle de empresas europeias, principalmente. Esses investimentos latinos fora da região cresceram 17% no ano passado, chegando a US$ 48,7 bilhões. 

Na última década, Brasil, Chile, Colômbia e México concentraram esses investimentos. No ano passado, no entanto, os maiores destaques foram o México e o Chile – e se a economia mexicana investiu US$ 25,5 bilhões no exterior, uma das maiores responsáveis pelo desempenho foi a gigante de telecomunicações América Móvil – que no Brasil controla Claro, Net e Embratel. Segundo a Cepal, embora até então a empresa viesse concentrando os aportes na própria região, no ano passado decidiu fazer compras na Europa, adquirindo participações relevantes em teles da Áustria e da Holanda, num total de US$ 4,4 bilhões. 

Mas com exceção de Brasil e México, o peso das atividades mais tecnológicas é muito limitado nos investimentos estrangeiros. De acordo com o relatório, os IEDs se orientam cada vez mais na direção da exploração de recursos naturais, particularmente na América do Sul. Já o lucro das empresas transnacionais que atuam na América Latina e Caribe cresceram 5,5 vezes nos últimos nove anos, passando de US$ 20,4 bilhões em 2002 a US$ 113 bilhões em 2011. 

Em média, as empresas transnacionais repatriam às matrizes uma proporção dos lucros (55%) superior ao que reinvestem na região (45%). Na prática, destaca a Cepal, o aumento tão significativo nos lucros tende a neutralizar o efeito positivo que produzem os IEDs na balança de pagamentos. Entre 2006 e 2011, as rendas com IEDs na região ficaram, em média, em US$ 92 bilhões – ou 92% do valor dos investimentos no mesmo período. 

O Brasil continua sendo o principal destino aos investimentos estrangeiros diretos – apesar da pequena queda de 2% em 2012, quando recebeu US$ 65,2 bilhões, ou 41% do total registrado para toda a região. Em seguida aparece o Chile, com US$ 30,3 bilhões. O México foi o país que teve a redução mais importante – a queda nos IEDs foi de US$ 6,7 bilhões, mas em grande medida devido à saída à bolsa do Santander México no ano passado. 

Embora os Estados Unidos e a Europa continuem sendo os principais investidores, o relatório da Cepal destaca que 14% do total dos investimentos diretos foram feitos por países latinoamericanos – embora com a ressalva de que parte desses recursos representam a prática de transnacionais utilizarem filiais no exterior para canalizar aportes em terceiros países. 


Tecnologia da informação evita tombo maior do setor de serviços

Segundo o IBGE, apesar do desempenho ruim das telecomunicações, os serviços de TI exercem a principal contribuição positiva dos serviços no acumulado até agosto de 2019. 

Rio de Janeiro precisa deixar de exportar CPF e CNPJ

"O Rio é protagonista de geração de inteligência e, hoje, temos de nos desafiar para reter nossos talentos", afirma o coordenador do Rio Info 2019, Alberto Blois. A diversidade foi a 'cara' do evento em 2019.

Fusões e aquisições em TI remodelam o mercado interno

Pesquisa da KPMG mostra que, no primeiro semestre, aconteceram 61 operações de compra em TI no Brasil, sendo 39 domésticas, 18 aquisições por grupos estrangeiros e 4 empresas brasileiras comprando companhias estrangeiras.

BR Distribuidora: A TI não pode se esconder atrás dos processos para se defender

"A TI precisa entender que do jeito que era não funciona mais. Ela precisa se enxergar como parte integrante do negócio", diz o CIO da BR Distribuidora, Aspen Andersen.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G