NEGÓCIOS

ABES: Mercado de TI deve investir até 7,5% em 2015

Luiz Queiroz* ... 08/05/2015 ... Convergência Digital

A ABES - Associação Brasileira das Empresas de Software - mantém otimismo para 2015 no desempenho dos investimentos do setor, mesmo com um cenário econômico desfavorável este ano, onde vários outros setores já antecipam previsões de retração. Segundo o presidente da entidade, Jorge Sukarie, a expectativa é de que no segundo semestre, quando o governo já estiver pondo em prática o ajuste fiscal, o setor de TI responda com crescimento nos investimentos da ordem de 7% a 7,5%.  

Essa previsão é maior do que os investimentos registrados pelo IDC (International Data Corporation) no mercado de TI no Brasil (incluindo hardware, software e serviços) em 2014, quando esse crescimento ficou em 6,7%. Sukarie apresentou nesta quinta-feira, 07/05, em Brasília,  durante o seminário  “Governo e o Setor de TI – Garantia de Inovação, Produtividade e Segurança”. os mais recentes números do mercado Brasileiro de Software e Serviços em 2015, apurados pelo IDC.

De acordo com a pesquisa, a Indústria Brasileira de TI está posicionada em 7º lugar no ranking mundial, com um investimento de US$ 60 bilhões, em 2014. Se considerarmos somente o setor de Software e Serviços de TI, sem exportações, o montante somou US$ 25,2 bilhões no ano passado.

O estudo aponta ainda, que o Brasil está posicionado em 1º lugar no ranking de investimentos no setor de TI na América Latina, com 46% desse mercado que, em 2014, somou US$ 128 bilhões. Ao considerar isoladamente o Mercado de Software, o faturamento atingiu no ano passado a marca de US$ 11,2 bilhões, sem exportações. Já o Mercado de Serviços registrou valor na ordem de US$ 14 bilhões em 2014.

Sukarie concedeu uma entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital. Ele fala sobre o mercado de TIC  e também do impacto de medidas govenamentais, entre elas, o aumento da alíquota da desoneração da folha de 2% para 4,5%, como quer o ministro da Fazenda.  Também fala do apoio da ABES à terceirização.

Perfil das empresas 

De acordo com a pesquisa, o Mercado Brasileiro de Software e Serviços é liderado por micro e pequenos negócios, com participação de 45,62% e 49,02%, respectivamente. Os empreendimentos de médio porte tem representação de 4,33% e os grandes apenas 1,03%.

Dados Regionais

O estudo também trouxe a distribuição de gastos de TI no país. O Sudeste foi a região com maior participação total nos investimentos em hardware, software e serviços, com 60,67%. O Centro-oeste registrou 10,9% de participação; Nordeste 10,1% e o Sul 14,53%. Já o Norte do país foi o que menos investiu no setor, com um percentual de 3,7%.

Resultado do Mercado de TI

Segundo o estudo da IDC, o mercado de TI no Brasil, incluindo hardware, software e serviços, cresceu 6,7%. Em 2014, foram dispendidos, mundialmente, US$ 2,09 trilhões em TI. No ranking mundial, o Brasil se manteve na 7ª posição, com investimentos na ordem de US$ 60 bilhões, 3% do mercado mundial. Os Estados Unidos manteve a liderança com 679 bilhões de dólares. Já a China superou o Japão com 201 bilhões de dólares e se posiciona em 2º lugar no ranking.

Tendências para o Mercado de TI

A pesquisa aponta que o número de computadores instalados no Brasil chegou a 69,9 milhões, em 2014. O Mercado Brasileiro de TI também contava com 120 milhões de usuários de Internet no ano passado.

De acordo com as tendências citadas no estudo, a receita total com Serviços de Telecom, que incluem soluções móveis e custos de profissionais para redes corporativas, alcançará US$ 104 bilhões, em 2015. O uso de ferramentas móveis chegará a 1/3 dos funcionários de empresas médias e grandes.

Já as vendas de tablets, smartphones e computadores somados representarão 45% dos investimentos em TI no Brasil, em 2015. O estudo ainda prevê uma ampliação do mercado de segurança devido ao avanço do Cloud Computing, chegando a US$ 117 milhões no Brasil, neste ano. Infraestrutura e serviços para Cloud terão crescimento superior a 50% do mercado de Cloud Pública no Brasil, em 2015.

Nas tendências apontadas, a Internet das Coisas ganha visibilidade com a previsão de mais de 130 milhões de “coisas” conectadas no Brasil e, aproximadamente, metade da América Latina.  Outro ponto citado está relacionado ao desenvolvimento voltado à 3ª plataforma: “Application Development” e “Deployment” seguirão acelerados, em 2015, chegando a US$ 1.344 milhões. Já Business Intelligence e Analytics devem atingir US$ 788 milhões, em 2015.

A apresentação desse estudo ocorreu durante o Seminário “Governo e o Setor de TI – Garantia de Inovação, Produtividade e Segurança”, no qual a ABES reuniu, em Brasília, representantes da Indústria e do Poder Executivo no encontro para discutir temas pertinentes ao setor de TI, como o Marco Civil e a proteção de dados.

* Com informações da ABES.


Avanço dos hackers vai fazer brasileiro comprar mais seguros

O brasileiro faz seguro de bens materiais, mas está começando a entender que é preciso também proteger seus dados devido ao avanço dos crimes cibernéticos, observa o diretor da Capgemini Marcio Gropillo. Seguradoras correm contra o tempo para se adaptarem às novas demandas.

Facebook une 27 empresas, lança moeda virtual Libra e invade espaço dos bancos

Rede social pretende lançar a moeda no primeiro semestre de 2020. Microsoft, Uber e Vodafone estão na iniciativa.

Pegasystems chega ao Brasil para brigar pelo mercado de CRM e IA

Norte-americana, que atuava por meio de parceiros, abriu operação local e tem como objetivo rivalizar com Salesforce, IBM e Oracle. Empresa também quer atuar com prestadores de serviços de TI.

BRQ: desafio é pensar o negócio de forma diferente para entender a dor do cliente

O CEO e fundador da prestadora de serviços de TI, Benjamin Quadros, diz que a maneira de fazer software mudou muito nos últimos 20 anos e segue mudando por conta da disrupção digital. Mas adverte para a falta de bons profissionais.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G