NEGÓCIOS

ABES: Mercado de TI deve investir até 7,5% em 2015

Luiz Queiroz* ... 08/05/2015 ... Convergência Digital

A ABES - Associação Brasileira das Empresas de Software - mantém otimismo para 2015 no desempenho dos investimentos do setor, mesmo com um cenário econômico desfavorável este ano, onde vários outros setores já antecipam previsões de retração. Segundo o presidente da entidade, Jorge Sukarie, a expectativa é de que no segundo semestre, quando o governo já estiver pondo em prática o ajuste fiscal, o setor de TI responda com crescimento nos investimentos da ordem de 7% a 7,5%.  

Essa previsão é maior do que os investimentos registrados pelo IDC (International Data Corporation) no mercado de TI no Brasil (incluindo hardware, software e serviços) em 2014, quando esse crescimento ficou em 6,7%. Sukarie apresentou nesta quinta-feira, 07/05, em Brasília,  durante o seminário  “Governo e o Setor de TI – Garantia de Inovação, Produtividade e Segurança”. os mais recentes números do mercado Brasileiro de Software e Serviços em 2015, apurados pelo IDC.

De acordo com a pesquisa, a Indústria Brasileira de TI está posicionada em 7º lugar no ranking mundial, com um investimento de US$ 60 bilhões, em 2014. Se considerarmos somente o setor de Software e Serviços de TI, sem exportações, o montante somou US$ 25,2 bilhões no ano passado.

O estudo aponta ainda, que o Brasil está posicionado em 1º lugar no ranking de investimentos no setor de TI na América Latina, com 46% desse mercado que, em 2014, somou US$ 128 bilhões. Ao considerar isoladamente o Mercado de Software, o faturamento atingiu no ano passado a marca de US$ 11,2 bilhões, sem exportações. Já o Mercado de Serviços registrou valor na ordem de US$ 14 bilhões em 2014.

Sukarie concedeu uma entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital. Ele fala sobre o mercado de TIC  e também do impacto de medidas govenamentais, entre elas, o aumento da alíquota da desoneração da folha de 2% para 4,5%, como quer o ministro da Fazenda.  Também fala do apoio da ABES à terceirização.

Perfil das empresas 

De acordo com a pesquisa, o Mercado Brasileiro de Software e Serviços é liderado por micro e pequenos negócios, com participação de 45,62% e 49,02%, respectivamente. Os empreendimentos de médio porte tem representação de 4,33% e os grandes apenas 1,03%.

Dados Regionais

O estudo também trouxe a distribuição de gastos de TI no país. O Sudeste foi a região com maior participação total nos investimentos em hardware, software e serviços, com 60,67%. O Centro-oeste registrou 10,9% de participação; Nordeste 10,1% e o Sul 14,53%. Já o Norte do país foi o que menos investiu no setor, com um percentual de 3,7%.

Resultado do Mercado de TI

Segundo o estudo da IDC, o mercado de TI no Brasil, incluindo hardware, software e serviços, cresceu 6,7%. Em 2014, foram dispendidos, mundialmente, US$ 2,09 trilhões em TI. No ranking mundial, o Brasil se manteve na 7ª posição, com investimentos na ordem de US$ 60 bilhões, 3% do mercado mundial. Os Estados Unidos manteve a liderança com 679 bilhões de dólares. Já a China superou o Japão com 201 bilhões de dólares e se posiciona em 2º lugar no ranking.

Tendências para o Mercado de TI

A pesquisa aponta que o número de computadores instalados no Brasil chegou a 69,9 milhões, em 2014. O Mercado Brasileiro de TI também contava com 120 milhões de usuários de Internet no ano passado.

De acordo com as tendências citadas no estudo, a receita total com Serviços de Telecom, que incluem soluções móveis e custos de profissionais para redes corporativas, alcançará US$ 104 bilhões, em 2015. O uso de ferramentas móveis chegará a 1/3 dos funcionários de empresas médias e grandes.

Já as vendas de tablets, smartphones e computadores somados representarão 45% dos investimentos em TI no Brasil, em 2015. O estudo ainda prevê uma ampliação do mercado de segurança devido ao avanço do Cloud Computing, chegando a US$ 117 milhões no Brasil, neste ano. Infraestrutura e serviços para Cloud terão crescimento superior a 50% do mercado de Cloud Pública no Brasil, em 2015.

Nas tendências apontadas, a Internet das Coisas ganha visibilidade com a previsão de mais de 130 milhões de “coisas” conectadas no Brasil e, aproximadamente, metade da América Latina.  Outro ponto citado está relacionado ao desenvolvimento voltado à 3ª plataforma: “Application Development” e “Deployment” seguirão acelerados, em 2015, chegando a US$ 1.344 milhões. Já Business Intelligence e Analytics devem atingir US$ 788 milhões, em 2015.

A apresentação desse estudo ocorreu durante o Seminário “Governo e o Setor de TI – Garantia de Inovação, Produtividade e Segurança”, no qual a ABES reuniu, em Brasília, representantes da Indústria e do Poder Executivo no encontro para discutir temas pertinentes ao setor de TI, como o Marco Civil e a proteção de dados.

* Com informações da ABES.


Tecnologia da informação evita tombo maior do setor de serviços

Segundo o IBGE, apesar do desempenho ruim das telecomunicações, os serviços de TI exercem a principal contribuição positiva dos serviços no acumulado até agosto de 2019. 

Rio de Janeiro precisa deixar de exportar CPF e CNPJ

"O Rio é protagonista de geração de inteligência e, hoje, temos de nos desafiar para reter nossos talentos", afirma o coordenador do Rio Info 2019, Alberto Blois. A diversidade foi a 'cara' do evento em 2019.

Fusões e aquisições em TI remodelam o mercado interno

Pesquisa da KPMG mostra que, no primeiro semestre, aconteceram 61 operações de compra em TI no Brasil, sendo 39 domésticas, 18 aquisições por grupos estrangeiros e 4 empresas brasileiras comprando companhias estrangeiras.

BR Distribuidora: A TI não pode se esconder atrás dos processos para se defender

"A TI precisa entender que do jeito que era não funciona mais. Ela precisa se enxergar como parte integrante do negócio", diz o CIO da BR Distribuidora, Aspen Andersen.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G