Convergência Digital - Home

Compra da Altera insere Intel no mundo dos data centers na nuvem

Convergência Digital
Da redação - 01/06/2015

A Intel confirmou nesta segunda-feira, 1º/06, a compra da rival Altera por US$ 16,7 bilhões, com pagamento em cash. Em um comunicado enviado ao mercado, a Intel reporta que  a aquisição vai permitir uam redução de custos na fabricação de chips customizados. A Altera produz chips programáveis usados em estações radiobase (ERBs) para redes de celulares. Mas esses processadores também estão começando a ser usados em data centers que fornecerm serviços de computação em nuvem, justamente por poderem ser configurados pelos clientes.

Com o negócio, a Intel também planeja crescer as vendas de chips para os chamados wearable devices, capazes de trocar informações com PCs e smartphones, de olho no mercado de internet das coisas (IoT). Os carros inteligentes também estão na mira, revelou o CEO da Intel, Brian Krzanich. Os chips para essas novas formas de comunicação vão responder por 60% do valor criado a partir da aquisição da Altera.

A previsão é que a transação seja concluída nos próximos seis a nove meses e a receita da Altera seja creditada ao resultado e ao fluxo de caixa livre da Intel no primeiro ano após o fechamento do negócio, disse a empresa na nota. O negócio já foi aprovado por unanimidade pelos Conselhos de Administração de ambas as empresas, mas ainda está sujeito à aprovação dos órgãos reguladores.

Com informações de agências de notícias internacionais.


LEIA TAMBÉM:
Destaques
Destaques

Brasil fica nas últimas posições em ranking mundial de uso de Big Data e Analytics

Brasil fica na posição 60º em 63º no uso das novas tecnologias da economia digital do Ranking de Competitividade Mundial 2019, produzido pela escola suiça IMD, com parceria no País, com a Fundação Dom Cabral. Em competitividade, País segue nas últimas posições.

Startup catarinense usa big data para combater desperdício de água potável

Startup catarinense, AcquaLogic, desenvolveu solução para tratar os dados de empresas de saneamento para evitar o desperdício. Em 2016, o Brasil jogou no lixo 38% da água consumível, segundo dados do Instituto Trata Água. Startup, agora, quer unir big data à Internet das Coisas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site