NEGÓCIOS

Dólar assusta, mas TI no Brasil deve crescer mais que o dobro da média mundial

Por Roberta Presscott ... 13/08/2015 ... Convergência Digital

O setor de Tecnologia da Informação deverá ter um crescimento de 7,3% em 2015, segundo projeções da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) em evento realizado nesta quinta-feira, 13/8, em São Paulo. Se concretizada, será uma taxa maior que a de 6,7% alcançada em 2014. Será também mais que o dobro da média mundial prevista para 2015 de 3,43%, um índice, aliás, inferior que os 4,04% registrados em 2014.

No entanto, tais indicadores, sustenta a ABES, devem ser lidos com ressalvas. Os dados que suportam esta previsão foram colhidos pela IDC no início deste ano e ainda podem ser impactados pela variação cambial. Em 2014, a alta do dólar foi responsável por, em números absolutos, recuar os investimentos em TI, apesar do crescimento porcentual.

De acordo com os dados mostrados, que fazem parte do estudo IDC IT Black Book, o presidente da Abes apontou que a indústria brasileira de software registrou investimentos de US$ 60 bilhões em 2014, ficando na sétima posição do ranking mundial. Em 2013, o montante foi de US$ 61 milhões. O investimento em TI no mundo foi de US$ 2,09 trilhões no ano passado. Os números excluem as exportações.

Falando para executivos do setor de TI, Jorge Sukarie, presidente da Abes, mostrou otimismo. “Apesar da situação desafiadora que vivemos hoje no Brasil, acho que temos grande oportunidade em tecnologia e seguir crescimento a taxas maiores que a média mundial”, destacou. Para ele, nos próximos três a cinco anos, veremos uma evolução tecnológica maior do que tivemos últimos dez anos. Isto permitirá a criação de modelos de negócios disruptivos. Sukarie mostrou um estudo da The Economist Intelligence Unit que mostra que o Brasil vai permanecer como sétima economia mundial em 2050. “É o único país que permanece na mesma posição.”

A China sobe para primeiro lugar no ranking, seguido dos Estados Unidos, Índia, Indonésia, Japão e Alemanha. Uma novidade é o México galgando posições e se posicionando em oitava maior economia do mundo. “A mensagem é que, independentemente de política e governo, o Brasil vai continuar sendo uma das maiores potências do mundo. Seguramente este momento de hoje vai passar”, disse, sinalizando que a área de TI vai ajudar a fomentar o crescimento do País.

Dados do setor

No ranking mundial de investimentos em TI, os Estados Unidos figuram no topo da lista, somando US$ 679 bilhões, seguido pela China (US$ 201 bilhões). Imediatamente à frente do Brasil, a França, em sexta colocação, teve US$ 73 bilhões de investimentos, mas um crescimento em 2014 em relação a 2013 foi de apenas 0,2%. Para Sukarie, o Brasil deve passar a França e posicionar-se em sexto lugar no ranking de TI dentro dos próximos cinco anos. Olhando para a América Latina, os investimentos somaram US$ 129 bilhões, sendo que o Brasil representa 46%. Em segundo lugar, o México representa 18% do total da região.

O setor brasileiro de software somou US$ 11,4 bilhões, enquanto o de hardware foi de US$ 34,8 bilhões e de serviços, US$ 13,8 bilhões. Considerando apenas software e serviço, a taxa de crescimento foi de 9,7% em 2014 em relação a 2013. O estudo também apontou que a participação da região Sudeste caiu, sinalizando uma melhora na distribuição dos investimentos no País.Em 2014, o Sudeste respondia por 60,67% dos investimentos, menos que os 65% em 2012. Em contrapartida, Sul subiu de 12% para 14,53%; o Nordeste de 8% para 10,11% e o Norte de 2% para 3,77%. Já o Centro-Oeste recuou de 13% para 10,92% sua participação no total dos investimentos.

 


Avanço dos hackers vai fazer brasileiro comprar mais seguros

O brasileiro faz seguro de bens materiais, mas está começando a entender que é preciso também proteger seus dados devido ao avanço dos crimes cibernéticos, observa o diretor da Capgemini Marcio Gropillo. Seguradoras correm contra o tempo para se adaptarem às novas demandas.

Facebook une 27 empresas, lança moeda virtual Libra e invade espaço dos bancos

Rede social pretende lançar a moeda no primeiro semestre de 2020. Microsoft, Uber e Vodafone estão na iniciativa.

Pegasystems chega ao Brasil para brigar pelo mercado de CRM e IA

Norte-americana, que atuava por meio de parceiros, abriu operação local e tem como objetivo rivalizar com Salesforce, IBM e Oracle. Empresa também quer atuar com prestadores de serviços de TI.

BRQ: desafio é pensar o negócio de forma diferente para entender a dor do cliente

O CEO e fundador da prestadora de serviços de TI, Benjamin Quadros, diz que a maneira de fazer software mudou muito nos últimos 20 anos e segue mudando por conta da disrupção digital. Mas adverte para a falta de bons profissionais.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G