GOVERNO » Compras Governamentais

TCU: faltam estratégia e coordenação na compra pública de TI

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 20/03/2017 ... Convergência Digital

A fragmentação da produção e compra de tecnologia da informação entre os diversos órgãos do governo reduz a eficiência e aumenta os gastos públicos. A análise do Tribunal de Contas da União é de que o Estado precisa trabalhar com ganhos de escala, o que exige estratégia e coordenação. 

“A questão de escala é importante para que a gente promova ganhos de eficiência nas organizações governamentais. A gente tem acompanhado os modelos e as estratégias de TI ao longo dos últimos 10 anos e o que a gente nota é uma repetição de esforços. Muitas organizações fazem soluções ou desenvolvem estruturas que atendem apenas a própria necessidade e isso é muito caro”, disse o secretário de fiscalização de TI do Tribunal de Contas da União, Márcio Braz. 

Mas como lembrou durante o 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, realizado nos dias 15 e 16 de março, em Brasília, isso exige uma estratégia comum. “A gente só vai ter ganhos de eficiência quando conseguirmos orquestrar as organizações públicas a trabalhar sob uma mesma estratégia. Não significa centralizar todo o serviço e produção de TI em um único organismo, que seria péssimo para inovação, mas propiciar que soluções às vezes simples não sejam feitas de maneira duplicada.”

“A estratégia de compra tem que estar ligada à estratégia de governança, à estratégia digital do governo como um todo. Se as compras públicas não estiverem alinhadas à estratégia, o órgão pode até fazer uma boa compra, necessária para sua realidade, mas sob o ponto de vista do governo como um todo não seria mais indicada, por atender apenas àquele ministério. Na medida que a gente consiga pensar no mais eficiente para o Estado, a gente consegue avançar no ganho de escala e ter economias que são necessárias.” Assistam a entrevista.


Governo retoma piloto de IoT com chips para coleta de dados

Governo criou um comitê interministerial para integrar as políticas de RFID às do Plano Nacional de Internet das Coisas. Iniciativa, parada há três anos por falta de consenso, batizada de SINIAV, começa a sair do papel com pilotos em Pernambuco e no município de Santo André, em São Paulo.

Governo discute se IoT é valor adicionado ou Telecomunicações

"Há prós e contras e precisamos analisar bem para definirmos a melhor governança", diz o diretor do MCTIC, José Gontijo. Sobre Internet das Coisas, Gontijo é taxativo: O Brasil não pode adiar mais uma definição sobre Lei de proteção de Dados Pessoais.

Reforma tributária: Telecom fica na categoria do imposto seletivo

Em entrevista à Newsletter da Telebrasil, reproduzida pelo Connvergência Digital, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB/PR, explica que a sua proposta elimina 10 tributos.

Fazenda e Receita insistem e querem o fim da desoneração da folha em 2017

Área econômica insiste que a desoneração trouxe mais prejuízos do que benefícios aos cofres públicos. TICs ficam fora dos segmentos contemplados em nova proposta do Governo.

André Borges: Plano de banda larga não existe porque não há dinheiro

"É muito temerário afirmar que tantas cidades vão ser cabeadas quando não temos dinheiro para saber quando isso vai acontecer", atestou o secretário de Telecomunicações do MCTIC, André Borges.



  • Copyright © 2005-2017 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G