GOVERNO

Telebras desbanca teles e assume rede da Dataprev por R$ 292 milhões

Luís Osvaldo Grossmann e Pedro Costa ... 17/03/2017 ... Convergência Digital

Em uma costura que levou mais de ano, a Telebras vai assumir a rede que interliga 1,7 mil agências do INSS, os data centers e escritórios da Dataprev, em um contrato de cinco anos que pode chegar a R$ 292,8 milhões. Nesse movimento, a estatal desbanca seis licitações distintas e deixa para trás quatro teles privadas: Embratel, Telefônica, Oi e British Telecom, que atualmente são as responsáveis pelos links da Previdência Social. 

“Tínhamos um processo licitatório para substituição desses links e a Telebras acenou com a possibilidade de atender todos eles de forma integrada em um contrato único conosco. Colocamos que o principal era que mantivéssemos a qualidade e o preço dos contratos atuais ou mesmo alguma redução. E eles conseguiram fechar uma proposta de atendimento a todos esses links”, explica o diretor de Tecnologia e Operações da Dataprev, Daniel Darlen, em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, durante o 2º Seminário Brasscom Políticas Públicas & Negócios, realizado em Brasilia.

É o segundo contrato entre as estatais. O primeiro, de valor bem mais modesto, R$ 2,1 milhões por 12 meses, saiu ainda em julho do ano passado para atender aos três data centers da Dataprev, em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. “Já temos uma relação de parceria estruturada, que está sendo agora ampliada. A Telebras passa a ser o provedor de toda a conectividade da rede da Previdência”, diz o diretor de Tecnologia e Operações. 

Não significa, porém, que o valor vai necessariamente chegar aos R$ 292 milhões. Esse é o montante para a entrega de todos os links ‘cheios’ e na prática deve ficar em algo um pouco acima de metade de todo esse valor. Ainda assim, é muito significativo na trajetória da Telebras, que tem a missão de se tornar auto sustentável diante da posição do governo federal de não fazer mais aportes na empresa depois de concluído o pagamento do satélite geoestacionário. 

Para a Dataprev, além da dispensa de licitação, o acordo único para o fornecimento da rede é vantajoso ao substituir a gestão dos contratos atuais com as quatro fornecedoras privadas. “Isso nos dá uma certa flexibilidade na gestão desses contratos. Atualmente temos seis contratos para cobrir o território nacional e quatro operadoras para cumpri-los. Temos ganho operacional com uma gestão mais eficiente e centralizada”, diz Darlen. 

A assinatura do contrato foi feita na terça-feira, 14/3, mas a transição ainda deve durar vários meses. “Tem todo um processo de migração dos contratos vigentes estimado para ser executado ao longo deste ano. A expectativa é que até dezembro as migrações terminem e a Telebras assuma. Não é uma ruptura, mas uma migração gradual dos contratos vigentes para o contrato com a Telebras”, completa o diretor da Dataprev. Assistam a entrevistsa com o diretor de Tecnologia e Operações da Dataprev, Daniel Darlen. Assistam a entrevista.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G