Home - Convergência Digital

Brasil só piora em ranking global de competitividade

Convergência Digital* - 02/06/2017

Um levantamento feito pelo International Institute for Management Development (IMD), com sede na Suíça, e pela Fundação Dom Cabral (FDC), escola de negócios brasileira com atuação internacional, apontou que o Brasil caiu quatro posições no ranking de países mais competitivos do mundo ocupando agora o 61º lugar dentre as 63 nações mapeadas pelo Índice de Competitividade Mundial 2017 (World Competitiveness Yearbook).

O país é considerado o segundo pior país da América do Sul, só a frente da Venezuela, última do ranking. Em infraestrutura científica retrocedeu de 36ª para 41ª, em educação caiu de 51ª para 55ª e nos indicadores tecnológicos se manteve da 51ª posição. Na performance econômica o Brasil foi ultrapassado por 17 países, nos últimos cinco anos: da 42ª colocação, em 2013, passou para a 59ª, este ano.

O resultado consolida uma tendência gradativa de perda de espaço no cenário competitivo internacional. Depois de atingir sua melhor posição em 2010 (38º lugar), o Brasil figura agora como um dos países menos competitivos do mundo, ao lado de Ucrânia (60ª), Mongólia (62ª) e Venezuela (63ª), nas últimas posições. “Em comparação a 2010, ano em que ocupou a sua melhor posição, o Brasil apresentou uma perda de aproximadamente 10% em competitividade. A queda apresentada em 2017 não é apenas relativa, mas também absoluta se observada no longo prazo”, explica um dos autores do estudo, o professor Carlos Arruda, da FDC.

No topo do ranking, Hong Kong lidera pelo segundo ano consecutivo, seguido por Suíça e Cingapura, que ao subir uma posição, levou os Estados Unidos a sair das três primeiras posições pela primeira vez na década. Para o professor Arturo Bris, diretor do Centro Mundial de Competitividade do IMD, os indicadores de Hong Kong, Cingapura e Suíça que mais tiveram destaque estão relacionados à eficiência do governo e dos negócios e à produtividade.

"Esses países mantiveram um ambiente favorável às empresas, e incentivam a produtividade. A China, por exemplo, teve melhorias em diversos fatores atribuídas à sua dedicação ao comércio internacional. Isso continua a impulsionar a economia e a melhoria da eficiência do governo e dos negócios", afirma.

Agitação política e econômica

Arturo Bris acredita que o Brasil, assim como a Ucrânia e a Venezuela, está no final da tabela devido à agitação política e econômica que vive. "É esperado que esses países ocupem estas posições por tudo o que acompanhamos nos noticiários sobre as questões políticas atuais. Mas, estas questões estão na raiz da má eficiência dos governos, e isso diminui as posições no ranking", enfatiza.

Para ele, em um contexto político abalado e extremamente incerto, é um desafio mover pessoas e recursos em prol de um projeto de nação. “Sob um olhar crítico, temos uma carga de entraves históricos aliada a uma nova carga política e institucional cujo resultado ameaça, como em 1980, encaminhar a economia brasileira para uma década perdida. Este relatório tem por objetivo discutir condições de reverter esse cenário”, completa.

O estudo é publicado desde 1989 pelo IMD. O ranking avalia o perfil dos países com base em quatro pilares. Em performance econômica, o Brasil recuou de 55 para 59. Na eficiência do governo piorou de 61 para 62. Na eficiência empresarial foi de 51 para 49. Na última, que é infraestrutura, caiu de 46 para 51. Os dados utilizados para a edição atual são referentes ao período de janeiro a abril deste ano.

(Agência ABIPTI, com informações da Fundação Dom Cabral)

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/06/2020
Brasil segue entre os países menos competitivos do mundo

15/01/2020
Brasil fala muito, mas faz muito pouco para chegar à indústria 4.0

26/09/2019
Brasil fica estagnado na 57ª posição no ranking global de Competitividade Digital

24/07/2019
Brasil cai duas posições em ranking global de inovação

02/06/2017
Brasil só piora em ranking global de competitividade

06/05/2016
Brasil fica no fim da fila em ranking global de computação em nuvem

30/09/2015
Brasil cai 18 posições no ranking de competitividade

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Acordo trabalhista em Goiás será pago em Bitcoins

Em conciliação realizada pelo TRT de Goiás, empresa de mineração aceitou o pagamento no valor de R$350 mil convertidos na moeda eletrônica. 

Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

Iniciativa também não permite que o tempo de uso dos aplicativos, como o WhatsApp, fora da jornada normal, seja um regime de prontidão. Projeto tem regras distintas da IN 65 do Governo Bolsonaro para os servidores públicos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site